Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Banco Mundial: PIB brasileiro deve cair 1,1% em 2009

postado em 23/06/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A economia brasileira deverá encolher 1,1% neste ano, segundo uma nova previsão divulgada nesta segunda-feira, 22, pelo Banco Mundial. A organização reviu para baixo sua previsão para o Brasil para este ano. Em março, o Banco Mundial havia previsto um crescimento de 0,5%.

A projeção do Banco Mundial contrasta com a do governo brasileiro, que em maio previu um crescimento de 1%, de acordo com estimativas do Ministério do Planejamento. O Banco Mundial prevê uma recuperação do PIB do Brasil a partir do ano que vem, com um crescimento de 2,5% em 2010 e de 4,1% em 2011.

Segundo as previsões, a economia global deve cair 2,9% neste ano, sua primeira contração desde a Segunda Guerra Mundial, uma vez que os mercados financeiros globais continuam debilitados e as perspectivas de fluxo de capital para os países em desenvolvimento são fracas. A projeção é mais pessimista do que a feita em março, de contração de 1,7%, segundo agências internacionais.

Nas previsões do Banco Mundial, o comércio internacional deve experimentar a queda mais forte desde a Segunda Guerra Mundial; o desemprego, que já é elevado nos países desenvolvidos, deve subir nas economias mais dependentes das exportações no Leste Asiático; e os investidores globais diminuirão a exposição nos mercados emergentes.

O PIB mundial deve se recuperar apenas em 2010, quando crescerá 2%. Em 2011, a expansão econômica deverá ser de 3,2%. As previsões fazem parte do relatório Global Development Finance 2009, que adverte para uma queda acentuada nos fluxos de capital para os países em desenvolvimento neste ano.

Segundo o relatório, a escassez de crédito decorrente da crise financeira mundial deve fazer o fluxo líquido de capitais para os países em desenvolvimento cair a US$ 363 bilhões neste ano, após ter atingido um pico de US$ 1,2 trilhão em 2007 e de já ter baixado a US$ 707 bilhões no ano passado.

O Banco Mundial adverte que "o risco de crises de balanço de pagamentos e reestruturações de dívidas corporativas em muitos países merecem uma atenção especial" e diz que a recuperação da economia global exige "uma rápida implementação de reformas" e um eventual afastamento dos governos da participação no sistema financeiro e a retomada do controle privado sobre o sistema bancário.

O relatório comenta ainda que os países da América Latina e do Caribe entraram na atual crise muito mais preparados do que em ocasiões anteriores, com fundamentos econômicos mais sólidos, mas que ainda assim foram bastante afetados por conta da queda nos preços internacionais das commodities e da fuga de capitais estrangeiros de fundos de investimentos.

A organização observa ainda que o sistema de câmbio flutuante adotado na maioria dos países da região ajudou-os a absorver grande parte do choque inicial da crise e evitar problemas nos seus sistemas financeiros mesmo com a queda nos mercados de capitais. O Banco Mundial prevê ainda crescimento de 1,2% nas economias em desenvolvimento como um todo, contra uma queda prevista de 4,5% na zona do Euro, de 3% nos Estados Unidos e de 6,8% no Japão.

As informações são da Agência Estado, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade