Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BB espera aumentar volume de financiamento

postado em 25/08/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Banco do Brasil prevê elevar em 21% os desembolsos ao setor rural na safra 2010/11. Os empréstimos da instituição devem somar R$ 41,9 bilhões até meados de 2011, informou ontem o vice-presidente de Agronegócios do BB, Luís Carlos Guedes Pinto.

O banco projeta elevar em 25% os recursos com taxas a juros subsidiados pelo Tesouro Nacional, além de concentrar esforços nos médio produtores. O BB também terá atuação especial na chamada agricultura sustentável, passando a usar a "poupança rural" como fonte adicional de recursos para financiar investimentos. Devem ser canalizados até R$ 1 bilhão dessa fonte.

Estoques mundiais em baixa, forte demanda por alimentos e resultados financeiros favoráveis devem permitir aos produtores o pagamento do custeio e de boa parte das dívidas antigas. As margens da atividade terão uma boa recuperação nesta safra, estima o BB. "Na safra passada, foi apertado. Mas em 2010/11 devemos ter o melhor ano das últimas quatro safras", avalia o diretor de Agronegócios do BB, José Carlos Vaz.

O BB estima uma reação dos preços de milho e trigo, além da manutenção das cotações da soja. O fenômeno "La Niña", que resfria as águas do Pacífico na altura da costa do Equador, pode gerar algumas perdas com seca, sobretudo no Sul do país. "Se não houver problemas de seca, vai ser possível pagar os custeios e as dívidas em todo o país", afirma Vaz. Mesmo com as perdas derivadas da seca, o BB avalia ser possível compensar por meio de preços mais altos.

O BB também aposta alto na massificação de mecanismos de proteção de renda. No seguro agrícola, o banco deve manter ações para garantir cobertura de 60% do financiamentos ao setor. No chamado "hedge" (proteção de preços), o BB deve elevar, de 0,9% para 8%, o total de empréstimos rurais cobertos pelo mecanismo. "Temos que caminhar para que os produtores incluam nos custos o 'hedge', assim como fazem com os insumos", defendeu Guedes Pinto.

No longo prazo, o BB concentrará esforços para elevar a fatia do "hedge" na proteção da renda do setor. O banco defende o uso de subsídios do Tesouro para reduzir o custo desse mecanismo ao produtor. "Mas o produtor também tem que usar recursos próprios para fazer 'hedge' da produção", disse o executivo do banco.

As informações são do Valor Econômico resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

anderson carlos carvalho

Itanhandu - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 30/08/2010

sou produtor de leite em minha regiaõ, a dois anos consegui um financiamento para compra de 10 vacas leiteiras, tenho um sistema de produção que funciona muito bem para minha região, piquete rotacionado nas águas, com média de 10 ua/ ha, e cana de açucar na seca com produção de 150t/ ha. queria saber se conseguiria tirar outro financiamento para aumento da produção sem ter pago o primeiro; obrigado

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade