Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BB espera aumento do crédito para recuperar reservas legais

postado em 27/12/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O gerente executivo da diretoria de Agronegócios do Banco do Brasil (BB), Frederico Piauilino, aposta no aumento da demanda pelos financiamentos do Programa ABC por parte dos produtores rurais que terão de investir na recuperação das reservas legais e das áreas de preservação permanente, como exige o novo Código Florestal, sancionado pela presidente Dilma Rousseff em outubro deste ano. Segundo Piauilino, a indefinição em relação à nova legislação ambiental foi um dos fatores que limitou a demanda pelos recursos do programa ABC ao longo deste ano.

De acordo com dados oficiais do Ministério da Agricultura, as liberações de crédito do Programa ABC pelo BB nos primeiros cinco meses desta safra atingiram R$ 1,085 bilhão, valor 18 vezes superior aos R$ 60 milhões liberados de julho a novembro do ano passado.

Piauilino explica que uma das exigências para o acesso aos recursos do programa é a adesão aos programas estaduais de regularização ambiental, primeiro passo para obtenção do Cadastro Ambiental Rural (CAR) das propriedades rurais. Ele lembra que o programa foi lançado a partir do compromisso de redução entre 36,1% e 38,9% das emissões de gases de efeito estufa, assumido pelo governo brasileiro nas conferências Sobre Mudanças Climáticas, promovidas pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Uma das principais preocupações do BB, segundo Piauilino, é evitar o ´desvirtuamento´ do programa, que não contempla financiamentos isolados de cultivos ou aquisição de máquinas e animais, e sim um projeto que vise à adoção de práticas que resultem na redução de gases de efeito estufa, como a integração entre lavoura, pecuária e florestas; adoção do sistema de plantio direto; e tratamentos de dejetos animais (biodigestores). Ele garante que cada projeto é vistoriado in loco por técnicos do Banco do Brasil, para assegurar a instalação dos projetos, que têm financiamentos de R$ 1 milhão por CPF e prazo de até 15 anos para amortização. A taxa de juros é de 5% ao ano. O BB opera também com recursos do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FCO), que libera até R$ 20 milhões por CPF, com taxas de juros oscilando entre 5% a 8,5% de acordo com o porte do produtor rural.

As informações são da Agência Estado, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade