Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BC: juro básico retoma 2 dígitos após 1 ano

postado em 10/06/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

De olho no forte ritmo de crescimento da economia e na possibilidade de a inflação sair do controle nos próximos meses, o Banco Central deu continuidade ao processo de aumento do juro básico da economia, a Selic. Exatamente como esperado, a taxa foi elevada em 0,75 ponto porcentual, para 10,25% ao ano.

Com o aumento, o País volta a conviver com juros de dois dígitos após a Selic cair, pela primeira vez na história, para um dígito há exatamente um ano, em junho de 2009. A alta do juro tem como objetivo tornar o crédito mais caro e, assim, reduzir a velocidade de expansão da atividade econômica. O comunicado divulgado ontem (09) repetiu as explicações dadas em abril, quando começou o processo de aumento do juro ao alertar para ação que deve "assegurar a convergência da inflação à trajetória de metas".

Entre os analistas, prevalece a aposta de que o juro deve subir 0,75 ponto duas outras vezes, em julho e setembro. Assim, a taxa termina o ano em 11,75%, já que não haveria novas altas em outubro e dezembro.

Feito histórico comemorado pela equipe econômica, a Selic, por pouco, não chegou a completar hoje seu primeiro aniversário marcando um dígito. Em 10 de junho de 2009, o Copom anunciou a queda da taxa em 1 ponto, para o patamar inédito de 9,25%. Na época, o Brasil ainda reagia contra os efeitos da crise e o governo tentava amenizar o impacto da recessão que atingiu praticamente todos os países, especialmente os mais ricos. Para isso, o BC reduzia o juro para incentivar o consumo.

Sonho de Lula. No início do atual governo em 2003, quando a Selic era de 26%, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a dizer que a taxa de um dígito era um "sonho da equipe econômica". O patamar tão sonhado, porém, ficou para trás. Exatamente um dia antes do primeiro aniversário da Selic de um dígito, a taxa subiu e retornou à casa dos 10%. Curiosamente, o juro sobe porque as ações de combate à crise foram bem-sucedidas. Com a forte reação da economia brasileira, a demanda avançou em passos bem mais rápidos do que a capacidade de aumento da produção.

O descompasso começou a pressionar preços e a inflação que ficou em 4,31% no ano passado deve fechar 2010 próxima de 6%, perigosamente perto do teto da meta de inflação, que é de 6,5%. "A economia continua crescendo e há uma parte relevante da inflação que é relacionada com a demanda aquecida, como o aumento do preço de serviços", diz o professor de economia da USP Fabio Kanczuk. No início de maio, o BC já havia alertado que o Brasil estava diante de um "virtual esgotamento" do aumento da capacidade de produção das fábricas. Hoje, um mês depois, indicadores mostram que o uso da capacidade produtiva continua em trajetória crescente.

Kanczuk argumenta que o BC, como guardião do poder de compra da moeda, precisa desacelerar a economia para evitar o aumento descontrolado dos preços. "Agora, é preciso reverter o quadro porque a economia reagiu rápido. Por isso, o juro continuará subindo até um patamar considerado neutro, que não influencia o ritmo da economia para melhor nem para pior."

Para o professor da USP, o juro de um dígito não deve voltar tão cedo. Segundo ele, é muito difícil que isso aconteça em 2011 pelo risco de repique da inflação. "Mas o Brasil terá de ter Selic mais baixa no longo prazo porque o risco país é muito mais baixo que no passado."

A matéria é de Fernando Nakagawa, publicada no Jornal Estado de São Paulo, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Estamos realizando a 8º edição da Pesquisa Top 50 BeefPoint de Confinamentos. Clique aqui para indicar confinamentos e concorra a DVDs com palestras dos eventos do BeefPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Joseph Crescenzi

Itaipé - Minas Gerais - Produção de café
postado em 11/06/2010

O déficit na capacidade produtivo do Brasil deveria ser suprido por importação, não por redução de demanda. Assim seria um passo importante para o ingresso definitivo no Mundo Real e daria ao USD$ seu preço de equilíbrio. A redução dos impostos sobre importados, e domésticos, irá estimular nossas fábricas a serem competitivos e os consumidores mais evoluídos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade