Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Brasil: 70% dos alimentos vêm da agricultura familiar

postado em 17/10/2008

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Boa parte dos alimentos que vão para a mesa dos brasileiros tem origem no trabalho de agricultores familiares. Dados da SAF (Secretaria de Agricultura Familiar) do MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrário) apontam que 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros são provenientes da agricultura familiar.

O levantamento mostra que 82,8% da produção de mandioca são provenientes da agricultura familiar. A produção de suínos vem em segundo lugar com 59%, seguida do feijão (58,9%), leite (55,4%), aves (47,9%), milho (43,1%), arroz (41,3%) e soja (28,4%).

Segundo Juarez de Paula, gerente da Unidade de Agronegócios do Sebrae Nacional, "do ponto de vista produtivo, o segmento representa cerca de um terço do agronegócio brasileiro. E, diferentemente do agronegócio voltado para a exportação, geralmente baseado na produção de commodities, em monoculturas com uso intensivo de mecanização e de agroquímicos (fertilizantes e pesticidas), a agricultura familiar é diversificada, mais intensiva em ocupação e menos dependente dos agrotóxicos e das sementes transgênicas".

Números de 2005 indicam que o segmento da agricultura familiar e as cadeias produtivas a ele interligadas responderam por 9% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, o equivalente a R$ 174 bilhões em valores daquele ano.

"As políticas públicas têm facilitado o acesso ao crédito para a agricultura familiar, têm incentivado o aumento da produção e oferecido canais de comercialização por meio de programas de compras governamentais. É difícil prever um cenário, mas se essas políticas forem mantidas, o ambiente continuará favorável para a agricultura familiar diante da atual crise", avalia.

Agroecologia

"Esse tipo de agricultura presta serviços ambientais relevantes, como a manutenção das reservas legais e das áreas de proteção permanente e a preservação de nascentes e recursos hídricos, serviços estes que agora começam inclusive a ser remunerados, face às ameaças do aquecimento global e seus impactos climáticos", ressalta Juarez.

Segundo ele, a importância da agricultura familiar, sob o ponto de vista ambiental, se torna mais evidente quando há a adoção de manejos agroecológicos ou orgânicos. "Acredito que a agricultura orgânica é a melhor alternativa de mercado para os agricultores familiares, porque é um mercado que cresce em torno de 40% ao ano, além de ser o que remunera melhor o produto", assinala.

A importância de os produtores familiares trabalharem com orgânicos também está relacionada à tendência do mercado consumidor. Cada vez mais, a busca é por alimentos seguros e saudáveis. Para completar, essa produção é mais barata, na medida em que dispensa o uso de agroquímicos. E também pressupõe menor escala, sendo mais apropriada para a pequena produção. As informações são da Agência Brasil.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Rodrigo Akio Yamaki

Fernandópolis - São Paulo - Zootecnista
postado em 17/10/2008

Muitos que estão no governo ainda associam produção familiar com baixa produtividade e pouca quantidade.

Joabe Jobson de Oliveira Pimentel

Teixeira de Freitas - Bahia - Pesquisa/ensino/extensão/consultoria
postado em 17/10/2008

Fico feliz por esta confirmação e espero que os governantes vejam isto e incentivem ainda mais a agricultura familiar. Tenho uma pergunta a fazer:
Em linhas gerais, em se tratando de pecuária de leite, qual seria a definião de sistema de produção familiar?
Seria baseado na quantidade de leite? na mão-de-obra utilizada? em ambos? ou seriam outros critérios?
Muito obrigado

Paulo Leite Rodrigues

Sobral - Ceará - Instituições governamentais
postado em 20/10/2008

Respondendo ao Joabe, para ter acesso ao PRONAF um dos critérios utilizados é o da renda bruta anual nos últimos 12 meses, de R$ 500,00 a R$3.500,00 o produtor se enquadra no grupo A/C (assentados da reforma agrária), até R$ 5.000,00 seria do grupo B e acima de R$ 5.000,00 a 110.000,00 os demais agricultores familiares que podem pleitiar custeio de até R$ 30.000,00 com juros variando de 1,5% a 5,5% a.a e investimentos até R% 36.000,00 com juros de 5% a.a. Quem apura esta renda bruta, na maioria das vezes, são os técnicos das Ematerces.

No cálculo da renda bruta para bovinocultura leiteira há um rebate de 70% do valor apurado. Outros critérios seriam:
- residam na propriedade ou em local próximo;
- não disponham, a qualquer título, de área superior a quatro módulos fiscais, quantificados segundo a legislação em vigor;
-obtenham, no mínimo, 70% da renda familiar oriunda da exploração gropecuária e não agropecuária do estabelecimento;
- tenham o trabalho familiar como predominante na exploração do estabelecimento, utilizando apenas eventualmente o trabalho assalariado, de acordo com as exigências sazonais da atividade agropecuária, podendo manter até dois empregados permanentes.

Vicente Romulo Carvalho

Lavras - Minas Gerais - Trader
postado em 21/10/2008

No meu ponto de vista, determinadas atividades ligadas ao empreendimento rural, não sendo tocadas pelos próprios donos, não se atinge os índices e/ou resultados ideais.

Dentre estas, vejo a que envolve a atividade leiteira. Pois, trata-se de uma atividade muito delicada, que não pode ser tocada de olho no relógio, para saber a hora de começar e terminar, se é domingo, feriado ou dia santificado(como diz o ditado minha hora já venceu, estou indo, amanhã é domingo e/ou feriado tou de folga).

Assim, trata-se de uma atividade própria dos donos tocarem. Dentro disto, talvez seja este um dos sucessos/crescimento da atividade leiteira tocada pela agricultura familiar(ex-vi dos dados constantes do artigo em comento).

Mas, uma questão torna de suma importância ser tornada pública e, se talvez já o é, eu não conheço e, gostaria de saber a fonte, vamos a ela: - Quanto custa para o País, os subsídios que são fornecidos a agricultura familiar?, Sem subsídios, haveria algum sucesso?

Pois, se os subsídios não são grandes e o Pais pode suportar, este será um caminho viável para a atividade e parabéns para todo o sistema. Porque para nos que tocamos sem subsidios e, a custa de empregados, de olho no relógio, nos domingos, feriados e dias santificados, é um modelo superado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade