Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Brasil e França farão intercâmbio técnico científico

postado em 11/03/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Dar início a um programa de intercâmbio técnico científico e comercial entre o Brasil e a França é o principal objetivo do Convênio assinado entre a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO) e a Escola Superior de Agricultura da Normandia, na França, em solenidade que aconteceu na FEINCO, Feira Internacional de Caprinos e Ovinos, que está acontecendo na capital paulista. A idéia deste convênio surgiu da vontade da Escola de Angers de contribuir para o aprimoramento da ovinocultura brasileira, o que foi bem aceito pela ARCO.

Para o representante da Instituição Francesa, Jean-Yves Carfantan, a troca de informações vai ser muito importante para os dois países, principalmente se for possível que técnicos brasileiros ou mesmo criadores, possam ir até a França conhecer a realidade do país em termos de criação e produção de ovinos. "Temos expertise nas áreas de carne e leite, por exemplo e muito podemos contribuir para o criatório brasileiro", assinala o professor.

O presidente da ARCO, Paulo Schwab, concorda com Jean-Yves e comenta que também o Brasil pode fornecer tecnologias e conhecimentos para os franceses. "A troca de informações e conhecimento sempre será bem vinda e sempre enriquecerá o desenvolvimento da ovinocultura brasileira", ressalta Schwab.

O convênio já está em andamento. Thomas Dumont é um estudante da Escola de Angers que está no Brasil, visitando estados e propriedades para fazer seu projeto de estágio e mestrado em Zootecnia. Sua tese será sobre a cadeia produtiva da ovinocultura no Brasil, buscando elaborar um diagnóstico e encaminhar soluções. Thomas diz que neste primeiro mês ficou a maior parte do tempo no Rio Grande do Sul. Segundo ele existem alguns pontos que a cadeia produtiva poderia melhorar já desde agora, mas prefere não comentar, na medida em que ainda não falou com todos os elos. O estudante deve ficar no Brasil por seis meses e ao final de sua pesquisa deve apresentar os resultados para os criadores e também em sua escola, na França.

As informações Agropress Agência de Comunicação, publicadas no sita da Feinco, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade