Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Brasil estuda candidatura à chefia da FAO

postado em 14/04/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As eleições para um candidato à direção-geral da FAO, o braço das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, estão previstas para 2011. O Brasil deveria aproveitar sua posição de destaque no tabuleiro agrícola global e apresentar um candidato. A posição foi defendida por ex-ministros da Agricultura do país durante evento de lançamento do World Agricultural Forum (WAF), ontem (13) em São Paulo. O WAF será realizado em Brasília no mês que vem.

Para os ex-ministros, um sul-americano no comando da FAO permitiria que a região, que já é uma produtora agrícola das mais expressivas e tem grande potencial para ampliar a oferta, tivesse um representante no órgão da ONU à altura de sua importância. "Faz 16 anos que um senegalês [Jacques Diouf] está à frente da FAO. Antes disso, foram 16 anos de um libanês [Edouard Saouma]. São pessoas competentes, mas não são de países agrícolas", afirmou Roberto Rodrigues, que foi ministro nos primeiros anos do governo Lula.

"Caberia ao WAF propor que um brasileiro seja o novo presidente [da FAO]", acrescentou Rodrigues, lembrando que essa é uma decisão de governo. O evento de maio, o primeiro promovido pela organização não-governamental na América Latina, deverá discutir metas de produção agropecuária em um contexto que inclui a América do Sul, como aquela capaz de dar uma resposta à crescente demanda global por alimentos.

Rodrigues disse já ter conversado com representantes do governo brasileiro sobre o assunto. "Aparentemente, houve uma aceitação razoável". Para ele, seria necessário "melhorar a gestão da FAO, reformá-la e transformá-la naquilo para o que ela foi criada: um organismo que trate de agricultura e alimentação". Rodrigues, ressaltou que já tem um candidato para sugerir: o pesquisador e ex-presidente da estatal Embrapa, Silvio Crestana.

Segundo a FAO, a demanda global por alimentos crescerá 70% até 2050. E a entidade ainda prevê que os países sul-americanos e a África subsaariana serão as regiões com maior capacidade de atender aos novos consumidores de países emergentes, que liderarão o crescimento da população global.

Também presente, Pratini de Morares, ex-ministro da Agricultura no governo Fernando Henrique Cardoso, afirmou que o Brasil teria pelo menos seis nomes em condições de disputar a direção da FAO. Pratini reforçou que é preciso reformar a FAO, que "gasta 42% de seu orçamento com a sua sede".

Segundo Rodrigues, se o Brasil quiser mesmo ocupar a cadeira mais importante da FAO, é importante que estruture logo sua candidatura. O diplomata e ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero, por sua vez, afirmou que um órgão como a FAO poderia ter uma atuação mais forte em questões relacionadas ao comércio mundial, visando à queda de barreiras.

A reportagem é de Roberto Samora, para o jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade