Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Bruno Santos comenta sobre raças e cruzamento ovino

postado em 01/03/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O diretor da Áries Reprodução e Melhoramento Genético Ovino Ltda. e colunista do FarmPoint, Bruno Fernandes Sales Santos, respondeu a dúvida de um leitor no artigo "A produção de ovinos e o melhoramento genético no Brasil - Parte 5".

O leitor e produtor de ovinos Carlos Otavio Lacerda perguntou sobre experiências considerando o melhoramento genético de ovinos e as raças mais comuns no nosso ambiente. Abaixo leia a resposta na íntegra.


"Prezado Carlos,

No Brasil existem diversas experiências neste sentido. Infelizmente quase a totalidade é de ordem única e exclusivamente prática, ou as de pesquisa não envolvem a parte genética quantitativa propriamente dita. As pesquisas que comparam o desempenho de raças ou seus cruzamentos no Brasil, em geral, não consideram o componente genético no longo prazo ou seus efeitos sobre o resultado e como os mesmos poderiam ser repetidos em condições diferentes daquelas em que o experimento foi realizado.

De maneira prática temos observado que diversos criadores têm utilizado cruzamentos das mais variadas ordens, em geral cruzando reprodutores de raças exóticas especializadas em carne com os animais deslanados e/ou SRD existentes na propriedade. De maneira geral, os resultados são bons até certo ponto com todas as raças, e tendem a piorar à medida que as F1 são cruzadas novamente com animais da mesma raça no sentido do cruzamento absorvente. Assim, a recomendação é sempre definir os objetivos principais da criação, em seguida planejar o trabalho com genética ou cruzamento a ser utilizado (sobretudo nos sistemas de produção de cordeiros de abate), e iniciar a seleção à partir dos dados produtivos do rebanho e se possível com utilização de valores genéticos e índices de seleção para a tomada de decisão sobre quais carneiros utilizar em cada geração e quais fêmeas incorporar ao rebanho.

Raças como Texel, Suffolk, Ile de France, Dorper, Poll Dorset, Hampshire Down e outras vêm apresentando resultados excelentes nos cruzamentos. O importante é salientar que cada uma delas apresenta características específicas e que devem atender à demanda do consumidor ou do cliente a que os cordeiros serão destinados e ainda, terem condições de se adaptar ao ambiente a que serão submetidos, este sem dúvida é um ponto fundamental no planejamento da atividade."

Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade