Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Caixa se junta ao Pronaf para ofertar crédito à agricultura familiar

postado em 16/01/2014

7 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A partir de julho, os empréstimos voltados para a agricultura familiar, também poderão ser acessados pela Caixa Econômica Federal, que vai se juntar às outras 19 instituições financeiras que já oferecem créditos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O volume de recursos disponíveis pelo banco através do Pronaf ainda está sendo definido.

Há 18 anos, o Pronaf oferece créditos para os agricultores familiares, com juros que variam de 1% a 3,5% ao ano. Em 2014, a Caixa passará a ser o vigésimo agente bancário a ofertar créditos voltados para os pequenos produtores.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) acredita que a entrada da intuição irá facilitar o acesso ao crédito pelos agricultores familiares, já que além das agências bancárias há outras opções como as casas lotéricas. “A Caixa, certamente, irá utilizar esses meios que têm para facilitar a interlocução entre o agricultor e agência da Caixa. A nossa aposta é que crescerá o número de agricultores que terão acesso de forma mais facilitada ao crédito para execução de sua de seu trabalho, de sua lavoura para continuar tendo condições de produzir com tranquilidade em sua propriedade rural”, salienta o secretário de política da Contag, David Rodrigues.

O diretor de Financiamento de Proteção à Produção do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), João Luz Guadagnin, diz que essa também é a visão do Ministério. “A Caixa Econômica Federal deve ser um novo companheiro da agricultura familiar. Ela começará a fazer operações no Pronaf. Isso vai facilitar o acesso a crédito para um grupo pequeno, mas importante ainda de agricultores que não têm crédito”, ressalta.

Como a inadimplência entre os agricultores é baixa, o professor da Universidade de Brasília, Luiz Vicente Gentil, não vê dificuldades para a adesão de mais agentes financeiros. “Todo agente financeiro não tem muitas emoções. O agente financeiro só entrega dinheiro quando tem capacidade de pagamento de quem o toma. Só dá dinheiro para quem tem condição de pagar para quem tem zero dívida”, esclarece.

Segundo dados do Banco Central, em 2012 foram acessados R$ 7,400 bilhões na modalidade custeio e R$ 8,900 bilhões em investimentos do Pronaf. De acordo com a Contag 1,600 milhões agricultores são beneficiados e para 2014, a ideia é antecipar o Plano Safra da Agricultura Familiar, que historicamente tem sido lançado no mês de junho.

As informações são do Canal Rural, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

João Batista Vivarelli

Divinolândia - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 17/01/2014

Ótima alternativa, assim o agricultor familiar terá mais uma opção para acessar o Crédito Rural

João Batista Vivarelli

Divinolândia - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 17/01/2014

Muito bom, assim o agricult(or)(ra) familiar terá mais uma opção de Agente Financeiro para acessar o Crédito Rural.

valdir goergen

Augusto Pestana - Rio Grande do Sul - Produção de leite
postado em 18/01/2014

Muito bom, pois no Banco do Brasil não aguentamos mais tanto tempo de espera, para ser atendido.

Marcos Andrei de Moraes Barra

Rio Verde - Goiás - Instituições governamentais
postado em 23/01/2014

A intenção é boa, mais me colocaram para fazer um investimento organizei toda documentação, depois de tudo entregue me enrolaram mais um  pouco para falar que eu tenho que ser proprietário para poder acessar o crédito sendo que sou arrendatário e a área é da minha mãe e entra como garantia, mesmo assim não tem como, para completar entrou uma tal de normativa que mudou mais uma vez, se tentar de outra forma quantas normativas que vão aparecer, e na agricultura familiar quantos que são arrendatários, parceiros e etc, temos que humilhar, Deus abençoe quem entrar nisso.

João Batista Vivarelli

Divinolândia - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 23/01/2014

*Normas para enquadramento PRONAF:
-Possuir no máximo 4 módulos fiscais;
-Morar na propriedade ou próximo;
-Renda bruta anual de no máximo R$ 360000,00,sendo que 50% ou mais proveniente da Atividade Agropecuária;
- Mão-de obra, predominantemente familiar.
O que possa ter acontecido é o não enquadramento seu; quanto às garantias são às exigidas no  Crédito Rural.

Marcos Andrei de Moraes Barra

Rio Verde - Goiás - Instituições governamentais
postado em 24/01/2014

Quanto ao enquadramento está tudo ok, o que está dando problema de acordo com a CEF é que sou arrendatário e não proprietário e nas normas de empréstimo não existe isso só nas normativas deles (CEF)  você desanima até outra opção pois você não sabe quando vai chegar outra normativa mudando tudo outra vez, arrendatário, proprietário, posseiro etc. todos enquadram, obrigado pelo seu comentário João Batista, Deus o abençoe.

João Batista Vivarelli

Divinolândia - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 24/01/2014

Na normativa, podem ser beneficiários do Crédito PRONAF: proprietários ,arrendatários, meeiros, parceiros, comodatários.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade