carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Caprinocultura e ovinocultura cearense têm agenda de desenvolvimento

postado em 22/10/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa apresentou na última sexta-feira (18/10) a proposta de uma agenda de desenvolvimento para as cadeias de caprinocultura e ovinocultura no Ceará à Câmara Setorial de Ovinocaprinocultura do estado. A proposta foi apresentada pelo chefe-geral da Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral, CE), Evandro Holanda Júnior, na reunião da Câmara que aconteceu na sede do Instituto Agropolos, em Fortaleza (CE), e tem como destaques a melhoria contínua das características produtivas dos rebanhos; a implementação de planos para aperfeiçoar os serviços de assistência técnica, a comercialização, a promoção da qualidade dos produtos; a criação de programas estaduais de sanidade animal e de capacitação continuada.

Segundo Evandro, a ideia é consolidar núcleos de excelência em produção no estado, favorecendo práticas como a certificação de produtos, a organização e diversificação dos mercados e o melhoramento genético. No caso deste último, com propostas como feiras agropecuárias e linhas de crédito específicas para animais testados em programas de melhoramento animal. Ele tomou como exemplo a Nova Zelândia como país que, apesar da quantidade do rebanho ter diminuído nas últimas décadas, tem mantido a boa produtividade e os altos níveis de exportação, tendo o melhoramento genético como um dos fatores para este sucesso.

“O Ceará tem rebanhos, tem diversidade genética, tem conhecimento para fazer isso e se fizer, vai exportar produtos para o mundo” afirmou ele, sobre o potencial para que o estado desenvolva os programas de melhoramento, que podem resultar em vantagens como a oferta de reprodutores e matrizes testados, de maior produtividade e resistência a doenças. Para Evandro, a agenda estadual deve ter preocupação com muitos desafios, como a necessidade de fortalecimento da inspeção sanitária, a diminuição de consumo entre o jovem urbano e o preconceito contra produtos de caprinos e ovinos. Ele ressaltou, porém, que há oportunidades se criando com a tentativa de uma melhor organização do setor produtivo (da qual a criação da Câmara Setorial seria um exemplo) e as potencialidades de produtos como os lácteos funcionais e as carnes, que podem ser inseridos em mercados socialmente construídos e em circuitos gastronômicos ligados ao turismo e às festividades em diversas regiões do estado.

Evandro tomou como referência, também, o crescimento do Centro-Oeste como produtor de ovinos no Brasil: há a perspectiva de que em 2020 a região passe do terceiro para o segundo maior rebanho de ovinos no país, passando de 7% para 22% do total nacional. Mais que o crescimento, para ele, é importante observar que alternativas a região adotou para crescimento da produtividade. “A tendência é que o Centro-Oeste e também o Sul reduzam custos de produção, regularizem oferta e melhorem a qualidade dos produtos”, afirmou ele.

Evandro apresentou, ainda, indicadores para evidenciar a importância das cadeias da caprinocultura e da ovinocultura no Ceará. “O estado é hoje o terceiro maior produtor de ovinos no Brasil, atrás somente do Rio Grande do Sul e Bahia, e tem três regiões entre as dez de maior densidade de rebanho por território”, exemplificou, acrescentando que as duas atividades movimentam hoje 77 mil estabelecimentos rurais no estado, ocupando 322 mil pessoas.

A proposta da Embrapa será avaliada pela Câmara Setorial, como subsídio para criação de um projeto de desenvolvimento das atividades que deverá ser encaminhado ao Governo do Estado e ao Banco do Nordeste. Segundo o presidente da Câmara, Amílcar Silveira, a contribuição da Embrapa é fundamental para que as tecnologias possam chegar ao setor produtivo, em um trabalho conjunto com as entidades de assistência técnica e extensão rural. Esta foi a primeira reunião de trabalho da Câmara após sua criação, que aconteceu no dia 1º de outubro deste ano. A Embrapa é uma das entidades participantes.

As informações são da Embrapa Caprinos e Ovinos, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

André Medeiros

Quixadá - Ceará - Produção de caprinos de leite
postado em 22/10/2013

Muito boa notícia. Já era tempo de ocorrer uma junção de forças políticas, institucionais e de produtores no nosso tão sofrido Estado. O momento é único e deve ser muito bem aproveitado. Não podemos correr o risco de desperdiçar essa oportunidade, como muitas outras antes desperdiçadas. A cadeia produtiva da ovinocaprinocultura clama por ações que possam engrandecer a atividade. Temos tradição, sabemos criar, temos excelentes técnicos, universidades e, temos também (para nossa sorte) a Embrapa Caprinos, em Sobral. A pesquisa e as tecnologias tem que chegar ao campo. Se não chegarem, nada feito. O Governo do Estado tem apoiado de forma muito ativa, como exemplo temos o incentivo à produção do leite de cabra. Acredito bastante na atividade e considero o momento único.
Forte abraço.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade