Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Caprinos e ovinos salvam o semiárido potiguar durante estiagem

postado em 23/07/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na paisagem seca do semiárido potiguar, castigada ainda mais pela estiagem que atinge vários municípios potiguares e assim como o Nordeste brasileiro, pouco sobrou das lavouras e o gado magro padece. Porém, alguns animais resistem e são apontados como uma saída para a sobrevivência e manutenção do homem no campo. Mais que uma forma de subsistência, a criação de caprinos e ovinos pode representar a redenção do sertão e a geração de negócios mais prósperos.

Na região Oeste, onde se concentra mais da metade do rebanho de caprinos, e mais de 40% de ovinos do Estado, a venda para corte animal aparece como uma alternativa viável e lucrativa. O Rio Grande do Norte é o sexto estado com maior rebanho de caprinos do Nordeste, com 405 mil animais. Já o rebanho de ovinos está estimado em 583 mil cabeças. Os dados são da Pesquisa da Pecuária Municipal de 2010, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Sítio Carrasco, zona rural de Apodi, município que possui mais de 28 mil cabeças de caprinos, seu Francisco de França é um exemplo de que, investir na caprinovinocultura ainda é um bom negócio. Criador de médio porte, com mais de 400 animais, ele explica que pretende ampliar a área de pastagem para elevar a produção e atender a demanda de consumidores, que só aumenta. Atualmente, uma média de 20 animais, com cerca de 13 quilos, são abatidos mensalmente. O quilo da carne é comercializado a R$ 8,00.

"Apesar da seca que atinge toda essa região, estou muito satisfeito com os resultados que a atividade me dá. A minha intenção é aumentar a área de plantação de pasto para poder criar mais animais e desenvolver ainda mais a atividade. Quero aumentar em três vezes a quantidade de animais", revela.

De Apodi, os animais abatidos são comercializados, principalmente na região, mas abastecem ainda supermercados e frigoríficos de Mossoró, e de Natal. Para estimular ainda mais o consumo da carne caprina e o fortalecimento da atividade na região, o Sebrae-RN, por meio do Projeto Aprisco no Oeste e Sertão do Cabugi, promoverá ações de estímulo durante a Festa do Bode, evento que ocorrerá de 2 a 5 de agosto, em Mossoró.

Além do tradicional Festival Gastronômico, serão promovidas oficinas para orientar proprietários de frigoríficos a respeito de cortes especiais, além de degustação de receitas. "A atividade possui um elevado potencial, e percebemos que este potencial pode ser melhor explorado. Com as ações que vamos oferecer durante o evento, pretendemos estimular ainda mais o consumo da carne de caprino e assim promover o aumento na demanda de consumidores no mercado", ressalta Vamberto Torres, gestor do Projeto Aprisco no Oeste e Sertão do Cabugi.

As informações são da Agência SEBRAE de Notícias do Rio Grande do Norte, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade