Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Chile: holding de carnes inicia a produção de ovinos

postado em 14/11/2006

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A holding chilena AASA, que produz carne bovina e suína, entrará em breve no mercado de produção ovina e, para isso, está tomando as providências para iniciar a produção no começo de 2007. A produção será destinada essencialmente ao mercado japonês e europeu.

Este novo desafio parece ser o objetivo principal do grupo já que, segundo seu presidente, Andrés Allende, é necessário "definir algumas coisas" antes de retomar as negociações com o fundo de investimentos Capital Group que, junto com o ex-executivo da companhia CIC, José Pedro Canales, está interessado em entrar na propriedade da AASA através da compra de 35% da propriedade.

Para isso, a empresa vem conversando com a neozelandesa Ryssington para a compra de 12 mil cabeças de matrizes ovinas, com um investimento de entre US$ 8 milhões e US$ 10 milhões. Isso se soma à proposta de Andrés Allende a seus sócios argentinos para adicionar a produção genética de ovinos à de bovinos. "Há três dias solicitamos à Pérez Companc se podíamos ampliar para sêmen de ovino. A decisão já está tomada. Eles têm a tecnologia e poderíamos começar no início de 2007".

A ampliação para a produção ovina permitirá que se obtenha, através de alta tecnologia, embriões sexados similares à produção bovina. A primeira produção de carne começará a sair no mercado durante o próximo semestre, duplicando a produção do grupo.

Esta produção será chave para a incorporação na produção de cordeiros, que se espera se inicie durante 2008. "Os ovinos são muito rápidos de produzir e queremos partir para produtos derivados". Ele disse que esta incursão implicará em um investimento adicional de US$ 6 milhões para uma planta de ovinos em San Pedro de la Paz, Concepción. "Há nichos de mercado. O americano consome o cordeiro de 40 quilos; já o mercado japonês é similar ao chileno, de 15 quilos".

A reportagem é do site Eldiario.cl.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade