Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Classe média acelera intenção de consumo, diz Fecomércio-RJ

postado em 09/03/2012

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A intenção de consumo da classe média acelerou o ritmo no começo do ano, segundo levantamento da Fecomércio-RJ/Ipsos Hábitos de Consumo Brasileiro divulgado com exclusividade para a Agência Estado. O percentual de consumidores da classe C dispostos a consumir mais este ano ante o ano anterior subiu para 24% em janeiro de 2012, ante 15% em igual mês de 2011, maior avanço entre as faixas de renda pesquisadas. Enquanto nas classes A e B esta fatia subiu de 25% para 29%, nas famílias D e E a participação cresceu de 13% para 15%.

A pesquisa ouviu 1.000 entrevistados em 70 cidades do País. Deste total, 23% sinalizaram interesse em gastar mais este ano, contra 17% em 2011, impulsionados pela classe C.

O maior interesse da classe média em compras também ajudou a impulsionar o gasto médio do brasileiro com alimentação, higiene e limpeza, que cresceu 14,5% no período, de R$ 365,54 para R$ 418,56, em valores atualizados. "Este movimento de maior ímpeto de consumo da classe C não é novidade. Mas realmente houve um avanço expressivo no início deste ano", afirmou o economista da Fecomércio-RJ, Christian Travassos.

O contínuo crescimento da massa salarial do brasileiro, que norteou a migração de consumidores de faixas de renda baixa para mais elevadas nos últimos anos, tem sustentado o consumo da classe C. "O mercado de trabalho continuou aquecido no começo de 2012, e isso facilitou também o acesso ao crédito", disse, lembrando que estabilidade no emprego é pré-requisito em tomadas de empréstimos. Outro fator lembrado pelo economista foi o término das medidas macroprudenciais em meados do ano passado, anunciadas em dezembro de 2010 e que restringiam consumo.

Entre as prioridades de consumo, o destaque na pesquisa foi reforma de casa, lembrado por 28% dos consumidores da classe C na pesquisa, contra 17% em janeiro de 2011. Este serviço também foi o mais lembrado pelas faixas de renda A e B (24%); e D e E (31%). Além da continuidade de redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre material de construção, prorrogada três vezes, Travassos lembrou a recente linha liberada pelo governo, via Caixa Econômica Federal (CEF) para reformas de domicílio, com recursos do FGTS.

Para o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Bruno Fernandes, o consumo em alta da classe C deve continuar nos próximos anos. "As condições são favoráveis", afirmou. Em 2012, houve aumento real de 7% no salário mínimo, cujo reajuste é indexado a partir da evolução do Produto Interno Bruto (PIB) e inflação. O especialista não acha impossível novos reajustes em patamar próximo ao de 2012. Caso ocorra continuidade de aumentos do salário mínimo neste nível, isso continuará a puxar para cima o poder de compra da baixa renda, além de impulsionar a migração de consumidores mais pobres para a classe média. "E não podemos nos esquecer que a inflação está mais bem comportada este ano. Isso dá um poder de compra maior para o consumidor", afirmou Fernandes.

Na prática, a alteração na composição das classes sociais no Brasil, beneficiada por política de transferência de renda, também transformou o orçamento do brasileiro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Os alimentos, que chegaram a representar quase um terço da inflação do varejo agora são um pouco menos de um quarto. "Com o aumento de renda do trabalhador na última década, o consumidor mais pobre desloca gastos para outros tipos de consumo e não se concentra mais, principalmente, em alimentos', explicou o economista da FGV, André Braz.

A reportagem é de Alessandra Saraiva, da Agência Estado, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Reinaldo Foresti Junior

Campanha - Minas Gerais - Produção de café
postado em 09/03/2012

As informações acima e realidades constatadas são de grande importância para o nosso desenvolvimento econômico e social e respectivas distribuiçao de rendas para todas as classes sociais acontecem em um momento crucial de nossa história. Vamos torcer para este contínuo progresso e empenho desdobrado para que estas classes em ascenção continuem e aumentem o consumo do nosso café principalmente o hábito para as populações jovens de grande valor de demanda. Estamos no caminho certo. Parabéns aos orgãos de divulgação desta brilhante realidade.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade