Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Código Florestal: entidades buscam consenso

postado em 17/03/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O presidente da Câmara, Marco Maia, recebeu nesta quarta-feira uma proposta de consenso acerca de 16 pontos abordados pelo novo Código Florestal (PL 1876/99). A proposta é fruto do trabalho realizado ao longo de sete meses pelo grupo de debate Diálogo Florestal, formado por 32 empresas produtoras de papel e celulose e 28 organizações não-governamentais ambientalistas.

"A ideia era diminuir a distância entre os dois lados, aproveitando os insumos produzidos por cada um e criando um caminho intermediário favorável a ambas as partes", resumiu Elizabeth Carvalhaes, presidente da Associação Brasileira de Celulose e Papel.

O documento propõe textos de consenso para pontos polêmicos do Código Florestal, como os que tratam sobre área rural, áreas de proteção permanente (APPs) ciliar e de rios menores, uso de topos de morro e os conceitos de pequena propriedade e posse rural familiar.

Aldo: punições vão colocar 100% das propriedades rurais ilegais

Relator do projeto que altera o Código Florestal, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), reiterou há pouco que a entrada em vigor das punições para produtores rurais que desrespeitaram as leis ambientais será "uma tragédia injustificável". "Não podemos aceitar que, aplicada a legislação em vigor, 100% das propriedades rurais do Brasil entrem na ilegalidade", sentenciou.

As informações são da Agência Câmara, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (1 estrelas)

Comentários

francisco eduardo de queiroz pereira calças

Lins - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 19/03/2011

parabéns deputado Aldo Rebelo, pelo relatorio, e pelo trabalho de defender os produtores rurais, que móve esse país

wilson tarciso giembinsky

Paracatu - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 19/03/2011

Seria ótimo que uma vez cumpridas as exigências legais de APPs e RL, pudessemos trabalhar livremente as outras áreas, mas infeleizmente não é sito que ocorre, precisamos passar por pedidos de licença e vistorias que atravancam nosso dia a dia.
Em alguns estados eucalipto é tratado como cultura normal, basta que emitamos a nota fiscal de produtor que deve acompanhar a carga.
Em outros estados temos que pedir licença de corte, pagar vistoria, esperar liberação e alem de prestarmos conta ao fisco temos que também prestar contas aos orgãos florestais.
Afinal eucalipto foi plantado para colher, é uma cultura como outra qualquer, apenas de ciclo mais longo!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade