Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Com demanda em alta, preço do cordeiro dispara

postado em 19/01/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O maior interesse do brasileiro por consumo de cordeiro e a queda nas exportações do Uruguai para o país fizeram a carne mais que dobrar de preço no ano passado. Segundo Robson Leite, presidente da fornecedora de carne de ovinos Savana, a alta foi de 120% em 2010, na média entre todos os cortes. A paleta, que ao final de 2009 custava entre R$ 10 e R$ 12 por quilo, em dezembro último era vendida por R$ 25.

No ano passado, as restrições na oferta de importantes fornecedores globais, como Austrália e Nova Zelândia, provocaram um forte aumento na demanda pela carne uruguaia, e o vizinho deu prioridade a países que pagam melhor, como Canadá, EUA e União Europeia. Além disso, problemas climáticos reduziram o rebanho de ovinos no Uruguai e mudanças no trâmite para liberação das importações prejudicaram os negócios entre os dois países.

As exportações de carcaças e peças não desossadas de ovinos para o Brasil caíram 21,6% entre janeiro e outubro de 2010, em relação a igual período de 2009, para 3,78 mil toneladas, segundo os últimos dados do Ministério do Desenvolvimento. Como a produção formal brasileira é de apenas 7.000 toneladas, a menor oferta uruguaia influenciou a formação dos preços internos.

O animal vivo, que chegou a R$ 2 o quilo no país em 2009, está em R$ 5, segundo Paulo Schwab, da Arco (Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos). Neste ano, a oferta deve retornar aos níveis de 2009, mas os preços, não, prevê Leite. Para ter um mercado mais equilibrado, o Brasil precisa alcançar a antiga meta de aumentar a produção.

Além de exportar menos - levantamento do Instituto Nacional de Carnes do Uruguai (Inac) mostra que o país exportou no ano passado 19.182 toneladas de carne ovina, volume 38,47% menor em relação a 2009.

"O mercado está bom", diz o criador Rodrigo Piqueira, de São Miguel Arcanjo (SP). Piqueira, que está há quatro anos na atividade, garante que o preço nunca chegou ao nível de hoje. "Conseguimos até R$ 8,50 o quilo vivo." Para Piqueira, o produto nacional tem qualidade superior ao produto importado. "No Uruguai, como a lã é o principal produto, os animais são abatidos com mais de 16 meses, o que desvaloriza a carne. Nessa idade o animal não é mais cordeiro, é carneiro", explica.

O corte mais valorizado é o carré. O preço varia de R$ 50 a R$ 70. Para tornar o produto mais acessível, os produtores investem em hambúrguer, linguiça, kafta e croquetes, feitos com carne de animais mais velhos. "Fazer hambúrguer, linguiça, espetinho é uma opção entre os mais de 25 cortes possíveis", diz o criador Valdomiro Poliselli Júnior, de Jaguariúna (SP). O quilo do hambúrguer, diz, sai a R$ 14,50.

A reportagem é dos jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo, resumida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade