Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Confiança do consumidor continua diminuindo

postado em 03/04/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Sob os efeitos da crise econômica internacional, a confiança do consumidor brasileiro voltou a piorar no primeiro trimestre do ano e caiu para o pior patamar desde o terceiro trimestre de 2005. O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), calculado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) fechou os três primeiros meses de 2009 em 106,3 pontos. No terceiro trimestre de 2005, o índice foi de 105,7 pontos.

Ainda segundo dados da CNI, o Inec caiu 3,2% no fim do primeiro trimestre deste ano, em relação ao resultado de dezembro do ano passado e diminuiu 4,7% no confronto com março de 2008. Com isso, o índice acumula baixa de 8,1% desde setembro do ano passado, quando começou a fase mais aguda da crise.

A CNI também verificou que aumentou o pessimismo dos consumidores com relação a situação do mercado de trabalho e da renda. O índice que mede as expectativas com relação ao desemprego recuou 4,2% na comparação com o último trimestre de 2008 e 19,8% ante os três primeiros meses de 2008, atingindo o nível mais baixo desde novembro de 2001. Já a perspectiva para a renda pessoal caiu 1,3% na comparação com os últimos três meses do ano passado e 1,7% ante o primeiro trimestre do ano passado.

"A queda no Inec pelo segundo trimestre consecutivo mostrou que o consumidor brasileiro ajustou suas expectativas em linha com o agravamento do quadro de crise da economia mundial e seus impactos no Brasil. É um reconhecimento que as dificuldades atingiram a nossa economia", avaliou o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco. O Inec é composto pelas expectativas dos consumidores quanto à inflação, desemprego, renda, situação financeira, endividamento e compras de bens de maior valor.

A matéria é Leonardo Goy, da Agência Estado, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade