Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Consumo no Nordeste e Norte será fortalecido

postado em 11/04/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O aumento de quase 14% do salário mínimo previsto para 2012 pode levar o crescimento do consumo das famílias das Regiões Norte e Nordeste a taxas chinesas, especialmente no caso de itens de baixo valor unitário, como alimentos e bebidas. A previsão é do economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges.

Ele baseia a análise na fatia significativa que essas regiões representam na massa de renda formada pelos que ganham até um salário mínimo, incluindo trabalhadores da ativa e pensionistas e aposentados da Previdência Social. A Região Nordeste, por exemplo, responde por 35,2% da massa de renda dos que recebem até um salário mínimo. No caso da Região Norte, essa fatia é de 27% - a média do País é de 20,7%. "O impacto do salário mínimo no consumo não é desprezível regionalmente", ressalta o economista.

De olho nesse potencial, a Coca-Cola Brasil está animada com as perspectivas de aumento de vendas para os próximos anos. "Estamos acelerando significativamente os investimentos", afirma o vice-presidente de Comunicação e Sustentabilidade da empresa, Marco Simões. Para o período 2010/2014, a companhia vai investir R$ 11 bilhões em fábricas, infraestrutura, comunicação e linhas de produtos.

Os empresários não estão atentos só para aumento de vendas, mas também para o crescimento dos custos da mão de obra provocado pela alta do mínimo. Paulo Valente, presidente do Grupo Paramount, que atua na fabricação de fios, tecidos de malharia, confecções e ainda em lojas no varejo de vestuário, diz que já considerou no planejamento deste ano o aumento no custo com a mão de obra.

"O aumento do salário mínimo já está na conta do orçamento dos gestores públicos e privados. As grandes empresas fazem planejamento com um ano e meio de antecedência", conta o diretor da RC Consultores, Fabio Silveira. Ele acredita que, se a economia continuar crescendo, as empresas vão ampliar os investimentos em tecnologia e reduzir o ritmo de contratações já no segundo semestre deste ano.

Outro impacto importante do aumento do salário mínimo recai sobre os gastos públicos, que incluem salário do funcionalismo público e pensionistas da Previdência Social. A LCA Consultores projeta uma despesa extra de R$ 22 bilhões em 2012 por causa do aumento do mínimo. A consultoria Tendências calcula um acréscimo de R$ 23,5 bilhões. A MB Associados considera a ampliação dos gastos públicos, em razão do reajuste do salário mínimo, o efeito mais negativo na economia porque significa um aumento de despesas permanentes.

A reportagem é do jornal O Estado de S. Paulo, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade