Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Crise exige novo modelo de crédito rural, diz Stephanes

postado em 19/11/2008

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou que a crise financeira internacional, que reduziu a oferta de financiamento para o setor agrícola, exige mudanças no modelo de crédito rural do País. De acordo com ele, a participação do Banco do Brasil no financiamento agrícola "é mais necessária do que nunca, nesse contexto".

Atualmente o Banco do Brasil (BB) é o grande financiador do agronegócio, com a liberação dos recursos do crédito rural e do financiamento da safra por meio da compra antecipada da produção, mecanismo que é posto em prática com a Cédula de Produto Rural (CPR).

O BB vai propor ao governo uma reforma do sistema de crédito rural que prevê, entre outras frentes, a definição de uma política de garantia de renda e a ampliação dos agentes financiadores do agronegócio. Os executivos do BB defendem a concessão de crédito para que os produtores ingressem no mercado de derivativos, garantindo um preço futuro para a safra. O BB também quer a ampliação do seguro rural.

Stephanes disse que as propostas do BB estão sendo avaliadas e que não há uma definição sobre elas. "Elas (medidas) estão em estudo. Ainda não é possível dizer se são factíveis ou não", afirmou.

O ministro acrescentou que a maior participação do BB no financiamento rural é uma realidade diante do aumento da aversão ao risco que outras instituições financeiras têm à liberação de crédito ao setor agrícola.

No curto prazo, o ministro voltou a defender a redução da taxa de juros das CPR que, segundo ele, oscilam de 12% a 20% ao ano e observou que uma taxa superior a 12% é inviável para o setor agrícola.

Ele também defendeu a ampliação do prazo para pagamento das operações de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC) que, segundo ele, é de até 90 dias e considerou que o ideal para a agricultura é pagamento em até 360 dias.

O ministro descartou o risco do estouro da "bolha do subprime (crédito de alto risco) agrícola", alerta que tem sido sugerido por lideranças do Centro-Oeste, em particular de Mato Grosso. Ressaltou que, no caso de Mato Grosso, as dívidas de investimento, que venceram em outubro e não foram pagas, somam menos de R$ 1 bilhão. A situação nas demais regiões é tranqüila. "Não vai haver estouro de bolha", garantiu. O ministro lembrou, ainda, que o governo já anunciou medidas de apoio ao setor rural, para suprir a falta de crédito das tradings.

Por fim, Stephanes negou que o governo pense em promover uma nova rodada de renegociação das dívidas rurais por causa da crise que afeta o setor agrícola.

As informações são do Estado Online, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Sergio soares da silva

Santa Tereza - Espírito Santo - Produção de café
postado em 19/11/2008

Olha, fico irritado quando vejo estas notícias. É muito bonito ouvir que o governo vai mudar o sistema de financiamento, que liberou tantos milhões para a agricultura e outras pérolas, mas não sai do papel. Quando realmente vamos ver a prática?

Sou produtor de café e o meu sogro está desde de agosto mais ou menos tentando fazer um custeio e toda hora o Banco do Brasil pede uma coisa, uma hora é um croqui da área do café, outra hora é não sei o que; já vendemos cafés para cumprir os compromissos firmados com compra de adubo, herbicidas e outros e até agora não vi a tão falada verba p/ cafeicultura.

Seria mais bonito dizer que não tem empréstimo, pois assim o produtor não ficaria sofrendo. Hoje o problema é a crise e antes da crise era o que? Insumos altos, cafés em baixa, vemos o petroleo em baixa e não entendi o motivo da alta dos adubos... e assim é com o café: os órgãos dizem que a safra vai passar dos quarenta milhões mas eu quero ver na prática, pois os cafés não estão rendendo.

O governo não faz é nada, e ano que vem a safra será menor do que muitos estão prevendo.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade