Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Crise: governo teme efeito na safra e reforça crédito

postado em 01/10/2008

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Preocupado com o risco de a escassez de crédito internacional comprometer a safra agrícola de 2009, o governo prepara medidas preventivas para o setor de agronegócios. Uma das alternativas é liberar parte dos depósitos compulsórios que são recolhidos pelos bancos para evitar uma quebra da safra, o que teria reflexos negativos na balança comercial, nos preços dos alimentos no mercado interno e na inflação.

Com o desbloqueio do compulsório, parte do dinheiro que hoje fica depositado no Banco Central (BC) voltaria às instituições financeiras e poderia ser oferecido aos produtores rurais. Outra medida em estudo é ampliar a fatia dos depósitos à vista e da poupança rural que são aplicados em crédito rural, a chamada exigibilidade bancária.

Por lei, 25% dos depósitos à vista e 65% dos recursos da poupança rural devem ser investidos em crédito rural. Em março, o Conselho Monetário Nacional (CMN) flexibilizou a exigibilidade das aplicações dos recursos das instituições que operam com caderneta imobiliária ou rural, o que permitiu o aumento do número de bancos que emprestam à área agrícola.

A idéia de defender a liberação de mais recursos para a agricultura ganhou força na semana passada, depois que o BC anunciou o adiamento do cronograma de implementação de compulsórios de leasing, medida adotada para aumentar o volume de dinheiro no sistema financeiro diante do quadro de restrição de recursos externos.

No campo, a pressão sobre os financiamentos do Banco do Brasil (BB) é cada vez maior, pois as tradings, que tradicionalmente financiam a atividade agrícola, também diminuíram a oferta de crédito para os produtores por causa da volatilidade dos preços dos grãos nas bolsas de mercados futuros.

Essa pressão elevou em 34% os desembolsos do BB no acumulado do ano-safra até a primeira quinzena de setembro. As liberações somaram R$ 6,75 bilhões entre julho e os primeiros dias deste mês. Para outubro está previsto novo aporte, de R$ 2,7 bilhões. As liberações do próximo mês elevam os desembolsos do BB na safra atual para R$ 9,4 bilhões.

O governo teme um "esgotamento" da fonte de financiamento à agricultura e, por isso, tem avaliado opções que garantam liquidez no começo de 2009, durante o período de plantio da segunda safra, a safrinha.

O economista Guilherme Dias, professor da Universidade de São Paulo (USP), lembra que os bancos são contra a mudança na regra da exigibilidade por causa da renegociação das dívidas do setor rural. Além disso, a obrigatoriedade de oferta de crédito a juro controlado de 6,75% ao ano não agrada às instituições.

As informações são de Fabiola Salvador e Adriana Fernandes para o jornal Estado de S. Paulo, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Francisco Teodoro de Souza Neto

Bela Vista de Goiás - Goiás - Consultoria/extensão rural
postado em 01/10/2008

Realmente esse esgotamento está próximo, inclusive hoje 01/10 todas as operações de custeio amparadas por recursos controlados e poupança rural no Banco do Brasil, nas agências de Goiás foram suspensas, sendo permitidas somente custeio via recursos do FCO.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade