Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Defesa Agropecuária encara velhos desafios

postado em 12/02/2015

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Após a Casa Civil segurar sua nomeação por mais de um mês e ter alimentado incertezas de quem chefiaria a área de defesa sanitária no país, o fiscal agropecuário aposentado pelo Mato Grosso, Décio Coutinho, assumiu na última segunda­feira a Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, um dos maiores alvos de críticas na Pasta recentemente.

Mesmo respondendo a processos judiciais por supostas irregularidades quando atuou no Indea, órgão de defesa mato­grossense, ele foi assegurado no posto pela ministra Kátia Abreu. Sua missão é dar "credibilidade" à área e ampliar a participação do setor privado no dia a dia da secretaria, questionada por ingerências políticas e pelos seguidos contingenciamentos de verbas.

As metas prioritárias, segundo ele, são: atualizar certificados sanitários de acordos internacionais e bilaterais que não são revisados há mais de cinco anos e contêm exigências antigas que não fazem mais sentido; reduzir prazos de registros de produto e habilitação de estabelecimentos; e viabilizar o Planejamento Nacional de Defesa Agropecuária, com foco na padronização de barreiras sanitárias em Estados de fronteira e ampliação de campanhas de erradicação de doenças animais e vegetais.

Assessor técnico até o ano passado na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), entidade presidida por Kátia Abreu entre 2008 e 2014, Coutinho substitui o administrador Rodrigo Figueiredo, que chegou à secretaria em 2013, indicado pelo hoje presidente da Câmara, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB­RJ). Figueiredo era bastante contestado por fiscais federais por não ter formação na área, além de ter sido constantemente acusado por entidades agropecuárias e empresários do setor de editar normas que favoreceriam a JBS, maior processador mundial de proteína animal. A empresa sempre negou e Figueiredo nunca concedeu entrevistas.

Em entrevista ao Jornal Valor Econômico, o novo secretário detalhou suas principais tarefas à frente do cargo. Reconheceu, entretanto, que os recursos orçamentários para a defesa sanitária precisariam pelo menos dobrar, para R$ 500 milhões este ano, para desenvolvê­las. Ele reconheceu, contudo, o cenário de ajuste fiscal já colocado em prática pela equipe econômica do governo e sabe da possibilidade real de cortes pelo Executivo.

Dirigentes da agroindústria de alimentos e técnicos da própria SDA, que preferiram o anonimato, nutrem grande expectativa de que Coutinho reverta a imagem negativa dessa que é a maior secretaria da Pasta, responsável por toda a fiscalização federal de alimentos, da área vegetal, insumos agropecuários e indústria veterinária.

"As entidades representativas do agronegócio precisam ter mais participação e essa é uma determinação da ministra. Nosso trabalho é fazer com que o serviço de defesa agropecuária do Brasil tenha credibilidade, e o primeiro ponto nesse sentido é dar agilidade", destacou o secretário, explicando que o Ministério vai priorizar a redução de prazos de respostas para registros de produtos, habilitação de estabelecimentos para vender e exportar, facilitar a tramitação de procedimentos, e agilizar a abertura de novos mercados.

Segundo Coutinho, a SDA acumula 4 mil processos entre pedidos de autorização ou renovação de registro de produtos, exportação e demandas afins da área de defesa sanitária. Para amenizar esse quadro, ele propõe uma maior informatização dos serviços de defesa sanitária e integração com secretarias estaduais de agricultura, qualificação de fiscais agropecuários federais e simplificação de procedimentos.

"Nossos decretos e leis precisam ser revisados e trazidos para o momento tecnológico em que vive a nossa agropecuária. Temos procedimentos antiquados que fazem as empresas perderem tempo", analisou ele, dizendo que a grande quantidade de Instruções Normativas editadas pela Secretaria precisa levar em conta se há "impacto econômico negativo".

O secretário Coutinho tem prazos para entregar resultados de seu trabalho. Até o dia 24 deste mês, ele promete encaminhar à Presidência da República o novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa), em discussão há sete anos no governo.

Apesar de técnico reconhecido na área, Coutinho responde a processos judiciais por supostas irregularidades quando era presidente do Indea, tendo sido condenado por improbidade administrativa em primeira instância na Justiça a pagar multas por gastos com passagens aéreas sem prestação de contas. Ele disse ter recorrido dessa decisão e negou constrangimento com o caso. "Esse foi um assunto conduzido internamente pela ministra. A gente só vai falar quando esses processos estiverem julgados e tramitados", afirmou.

As informações são do Jornal Valor Econômico.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

josé Carlos Rodrigues da Luz

Serra Talhada - Pernambuco - Consultoria/extensão rural
postado em 16/02/2015

Alô Brasil !  Alô Sr. Secretário Décio Coutinho!!!!!!!!!
Vamos trabalhar com seriedade e sinceridade ,honestidade e probidade administrativa, em busca de justiça humana,social econômica para o bem geral  humano e animal  em busca  de confirmação  e uso desta tão grande riqueza que é o nosso Brasil , cuja  a capacidade é tão grande que poderá até alimentar o resto do mundo (só nós é que não percebemos tal riqueza) Em momentos penso que  não produzimos  o bastante por não sabermos , verdadeiramente,o que é pobreza, fome, opressão e necessidade causadas por grandes catástrofes como terremoto, maremoto vulcões e ou guerras destruidoras como ainda ocorrem em alguns países. Bem verdade que superando todos estes efeitos negativos temos aqui, infelizmente, o mal proceder de alguns servidores políticos corruptos diante de grandes corruptores (mal do capitalismo desonesto,desumano e mal aplicado)  Isto, porém, poderá ser bem resolvido com uma pequena dose de consciência humana própria quando grandes gestores perceberem que estão com todo o poder em suas mão para fazerem o bem  e, não escolherem o mal .Isto sim é  a representação de amor próprio e possibilidade de vida e paz aos seus semelhantes;  E DEUS SE AGRADARÀ TANTO QUE  LHES RETRIBUIRÀ  EM BENÈFICES DE BENÇÃOS SOBRE BENÇÃOS. Afinal de contas se vocês foram eleitos é porque DEUS assim  permitiu ,ELÊ  é quem dá o poder aos homens para que realizem o seu propósito, seja o bem ou o mal ! Entretanto a nós , os homens , seremos julgados por DEUS pelo que realizarmos de bem e ou de MAL. Pensem nisto Nobres Senhores e  "VAMOS DESENRROLAR  ESTE ROLO-CARRETEL"  Parabéns Sr. Décio e boas vitórias no seu bem proceder; lembre-se : A recompensa maior virá das mão de  DEUS e não  dos homens. Forte Abraço, José Carlos (Técnico em- criação de animais -Zootécnia)  e Famílias brasileiras. SUCESSO>>>..........16.02.2015 (josejcluz@hotmail.com )

Roberto

OUTRA - Pernambuco - OUTRA
postado em 19/02/2015

Acorda Brasil!

Jonas Steffanello

Sorriso - Mato Grosso - Ovinos/Caprinos
postado em 22/02/2015

Sr Décio. Com certeza sua nomeação é consequência do resultado do seu trabalho pelos cargos onde passou. Falo isso principalmente pelo bom trabalho realizado no período que foi presidente do INDEA. E conforme suas palavras em relação a participação das entidades representativas, as quais a atual Ministra Kátia Abreu conhece muito bem a importância, coloco a OVINOMAT - Associação dos Criadores de Ovinos e Caprinos de Mato Grosso, a sua disposição para ser propositiva no desenvolvimento de políticas para o setor, e apoiadora nas ações necessárias. Que Deus ilumine seus passos nesta trajetória e permita bons frutos do seu trabalho!
Jonas Steffanello- Presidente da OVINOMAT

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade