Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Demanda chinesa e etanol agitam mercado de milho

postado em 20/12/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A recente entrada da China no mercado internacional de milho como compradora e a manutenção dos subsídios ao etanol à base do grão nos EUA devem manter os preços do cereal em patamares elevados em 2011, favorecendo, ainda que indiretamente, as exportações brasileiras de milho.

Os volumes importados pela China ainda são pequenos - na safra passada foram 1,3 milhão de toneladas e na atual, 1 milhão -, mas analistas e exportadores consideram que há uma mudança estrutural no país asiático, que está deixando de ser exportador para virar importador de milho, no curto a médio prazo. Na safra 2006/07, a China chegou a exportar mais de cinco milhões de toneladas, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

No caso do etanol americano, a prorrogação do subsídio de US$ 0,45 por galão do biocombustível misturado à gasolina deve manter elevada a demanda por milho para este fim.

As duas situações favorecem o Brasil. De um lado, o consumo forte nos EUA sustenta os preços internacionais e favorece as exportações brasileiras, que este ano alcançam 10 milhões de toneladas, graças a subsídios ao frete. De outro, a demanda chinesa desloca exportadores de milho, como os EUA, deixando espaço para o Brasil em mercados antes atendidos pelos americanos. "Há uma mudança estrutural na China, onde a produção de carnes cresce a taxas expressivas. O país está gradualmente deixando de ser exportador para se tornar importador", observa Anderson Galvão, da Céleres. O milho é usado na ração de frango e suínos, principalmente.

O analista reconhece que as importações ainda são pequenas, mas lembra que historicamente a China tinha estoques de 120 milhões a 130 milhões de toneladas de milho. Hoje são 60 milhões.

O governo brasileiro já observa o novo cenário. "A China é um fato novo. Com um estoque desse tamanho não deveria estar importando", comenta Sílvio Farnese, diretor de programas da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura. Ele diz que se o país se tornar efetivamente importador de milho, haverá impacto no mercado, assim como ocorreu com a soja - a China importará este ano 57 milhões de toneladas da oleaginosa, boa parte dos EUA e do Brasil. Segundo Farnese, há quem avalie que as compras chinesas de milho possam alcançar 10 milhões a 15 milhões de toneladas num prazo de três a quatro anos.

Ainda que o estoque chinês seja gigantesco - maior que a safra brasileira de milho de 52,5 milhões de toneladas -, é preciso considerar que a China vive forte demanda por alimentos, mas tem restrições para ampliar sua agricultura, já que enfrenta déficit de água e solos pobres, principalmente na região norte, como lembra uma fonte de indústria com atuação no país asiático.

Dissonante, Paulo Molinari, da Safras & Mercado, acredita que as importações chinesas foram pontuais, reflexo do excesso de chuvas em regiões de produção. "A China vai se tornar importadora de milho, mas não no ano que vem", diz.

A matéria é de Alda do Amaral Rocha, publicada no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade