Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Demanda por commodities deve continuar em alta

postado em 13/03/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A demanda mundial pelos produtos básicos do Brasil deve continuar crescendo nos próximos anos. As exportações de commodities serão estimuladas principalmente pelo crescimento da Ásia, mesmo com a desaceleração da China. O continente asiático deve manter um forte crescimento este ano e em 2013, segundo a previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Pela projeção, a alta do PIB dos países em desenvolvimento da Ásia será de 7,3% este ano e de 7,8% em 2013. O crescimento asiático deve fazer com que a renda regional melhore, estimulando o consumo de produtos básicos, como os alimentos. "O crescimento asiático, em especial da China, mesmo desacelerando para algo próximo de 7% a 8% nos próximos anos, implicará em forte demanda por alimentos", diz o economista José Roberto Mendonça de Barros, sócio da MB Associados.

Além disso, nas economias desenvolvidas, em períodos de recessão, a população dificilmente reduz o consumo de alimentos. "São bens cuja demanda é difícil de ser reduzida significativamente, mesmo com baixo crescimento da renda", afirma Mendonça de Barros.

A perspectiva de exportação para os produtos básicos não deve se repetir com outros setores da economia.

Uma das justificativas para o tombo do setor é a valorização do real, o que barateou a importação e encareceu as exportações. "Quando você olha o dado da indústria, é possível notar uma perda de competitividade pelo aumento dos produtos importados pelo mercado brasileiro", afirma Renato da Fonseca, gerente executivo da Unidade de Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A desaceleração econômica dos países importadores de manufaturados, como os EUA, também colaborou para a piora do setor nos últimos anos. A indústria nacional reclama ainda da infraestrutura ruim, elevando o chamado custo Brasil, e da burocracia - no processo de exportação, são 17 os tributos cobrados pelo governo.

Somado a isso, a baixa a produtividade do trabalhador também tem afetado o desempenho do setor. Por causa do crescimento da economia brasileira nos últimos anos, as empresas ampliaram a oferta de trabalho, mas estão tendo dificuldade em encontrar mão de obra qualificada.

A matéria é de Luiz Gerbelli, do Estado de S. Paulo, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade