Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Desmatamento na Amazônia cai 49% entre abril e julho, aponta Inpe

postado em 03/08/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O desmatamento na Amazônia Legal caiu 49% entre abril e julho de 2012, na comparação com o mesmo período do ano passado, informou nesta quinta-feira (02) o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os dados foram obtidos pelo sistema de detecção do desmatamento em tempo real, o Deter, que utiliza imagens de satélite para visualizar a perda mensal de vegetação no bioma.
Na comparação dos dados do Deter de agosto 2010 a julho 2011 com agosto de 2011 a julho de 2012, houve redução de 23% na devastação do bioma (caiu de 2.679,56 km2 para 2.049,83 km2).

Entretanto, o índice oficial anual, fornecido pelo sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) deve ser divulgado apenas nos próximos meses.
Segundo o instituto, entre abril, maio, junho e julho deste ano o desmatamento causou a perda de 651,62 km2 de cobertura florestal, uma área equivalente a 36 vezes o tamanho do arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco. Nos quatro meses de 2011, a devastação registrada no bioma foi de 1.282,99 km2 (uma área maior que cidade do Rio de Janeiro).

Em abril de 2012, houve uma redução de 232,57 km2 de floresta. Em maio, a perda foi de 98,85 km2; em junho, uma área de 107,5 km2 foi devastada, enquanto que em julho, houve a derrubada de 212,7 km2 de mata nativa devido ao desmatamento. A cobertura de nuvens entre abril e junho não alcançou 50%, ou seja, os satélites conseguiram observar boa parte do bioma, que abrange nove estados brasileiros. O dado de julho ainda não estava disponível

Estados

Mato Grosso foi o estado que registrou maior redução na devastação entre 2012 e 2011. Segundo o Deter, MT foi responsável pela perda de 311,84 km2 de floresta entre abril e julho (178 km2, 34,32 km2, 47,68 km2 e 51,52 km2 respectivamente) -- queda de 50% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Em 2011, uma intervenção do governo federal foi necessária no estado devido ao ritmo intenso de degradação da vegetação. Na época, o ministério do Meio Ambiente anunciou a criação de um "gabinete de crise" para "sufocar" o ritmo de destruição na região.

Ainda na análise do quadrimestre de 2012, o Pará foi responsável por derrubar 187,82 km2 de vegetação, sendo que em julho houve o maior índice, 92,98 km2, sendo o estado que mais desmatou a floresta amazônica no último mês analisado. Rondônia vem em seguida, com 91,61 km2.

Menor índice histórico

Em junho, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, anunciou que a Amazônia Legal teve o menor índice de desmatamento dos últimos 23 anos. Segundo Inpe, a região teve 6.418 km² de floresta desmatada entre agosto de 2010 e julho de 2011 - equivalente a quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

Foi a menor taxa desde que o instituto começou a fazer a medição, em 1988, e houve uma redução de 8% em relação ao mesmo período em 2009 e 2010. No entanto, em dezembro do ano passado, o Inpe havia divulgado uma expectativa de desmate de 6.238 km2 - alta de 3%.

O número foi obtido a partir dos dados consolidados do sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal), que consolida informações coletadas ao longo de um ano por satélites capazes de detectar áreas desmatadas a partir de 6,25 hectares.

As informações são do jornal O Globo, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade