carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Diferenciação da carne de cordeiro

postado em 23/01/2014

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O crescimento da ovinocultura de corte - a chamada ovelha-carne, em substituição à ovelha-lã - no Rio Grande do Sul está exigindo das autoridades do setor e dos próprios criadores e frigoríficos maior investimento em estratégias de diferenciação da carne de cordeiro.

É um produto diferente, novo, com qualidades especiais, mais rápido de produzir, cuja demanda está aumentando, mas que ainda precisa ser melhor qualificado. A cadeia produtiva e de comercialização terá que ser melhor organizada, não só para garantir remuneração ao produtor, mas rendimento nos frigoríficos, presença contínua no varejo e qualidade ao consumidor.

A Embrapa Pecuária Sul, em Bagé, tinha projetos neste sentido, como o do Cordeiro Alto Camaquã, mas, ultimamente, não se falou mais no assunto. Também há o Cordeiro Herval. Na Fronteira-Oeste, onde estão os maiores rebanhos ovinos, não se fala em mais técnica e tecnologia na produção.

O passo inicial poderia ser o censo ovino, pois os números do rebanho são contraditórios. De acordo com a Secretaria da Agricultura, o Estado tinha, em 2009, 3.439.103 animais (já teve 13 milhões), criados por 37.855 proprietários, em 39.512 propriedades. Mas a declaração anual do rebanho, prevista em lei, é feita pelos proprietários, e está sujeita a incorreções.

As informações são do Jornal do Comércio-RS, adaptadas pelo FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

José Rocha

Santa Maria - Rio Grande do Sul - Pesquisa/ensino
postado em 30/01/2014

Boa Tarde: Realmente a avaliação e remuneração da carne de cordeiro deve ser diferenciada. A qualidade e maciez deste produto é apenas algumas dos ganhos referentes. O problema é realmente a falta de poder financeiro da população geral, a qual ainda acha caro valores de mercado, que porém não são repassados ao produtor sério e correto que não está incluído na falha de informações sobre o rebanho de sua propriedade. Em relação as associações e grupos acho válido que bem estruturados e com uma assistência técnica correta, pois se pensa muito na comercialização e não na produção dos animais.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade