Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Dilma lança programa de irrigação

postado em 14/11/2012

22 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Em mais um esforço para combater os efeitos da seca, a presidente Dilma Rousseff lançou nesta terça-feira o programa Mais Irrigação, que prevê investimentos de R$ 10 bilhões - do volume de recursos, R$ 3 bilhões serão oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e R$ 7 bilhões, da iniciativa privada.

"Vamos derrotar a seca e vamos usar pra isso o que há de melhor na tecnologia, não vamos medir esforços, tenho certeza que esse é um projeto que seremos bem sucedidos", disse a presidente, durante solenidade no Palácio do Planalto.

O Mais Irrigação deverá beneficiar 538 mil hectares de áreas voltadas para a produção de biocombustíveis, fruticultura, leite, carne e grãos. Dilma lançou o programa quatro dias após inaugurar a Adutora do Algodão no município de Malhada, que vai levar água do rio São Francisco para mais de 100 mil pessoas de nove municípios.

"Uma das características do Mais Irrigação é a busca de mais eficiência para melhor investir, eu acho que ele é um passo à frente de todas as iniciativas que tínhamos tomado no PAC. E falo da eficiência pra obter uma maior produção agrícola, maior renda gerada naquela região pobre do País, e da operação adequada dos projetos de irrigação", destacou Dilma.

O programa é mais um afago de Dilma ao PSB, sigla que comanda quatro Estados da região Nordeste - Ceará, Pernambuco, Paraíba e Piauí. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, não participou da cerimônia - ele está de férias, em viagem pela Itália.

A presidente cobrou dos ministros Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome) a entrega de 160 mil cisternas até o final do ano. "Os males provocados pela estiagem se ainda são muitos e se ainda são extensos, temos o absoluto compromisso de superá-los, estão sendo enfrentados com firmeza", afirmou.

A matéria é do Estadão, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

cezar augusto fries

São Miguel d'Oeste - Santa Catarina - Produção de leite
postado em 14/11/2012

Quem podera ser beneficiado? qual a categoria de emprestimo? tem prazo bom para devolução? quanto de juro?

Albino Callou Barros

Fortaleza - Ceará - Produção de caprinos de leite
postado em 15/11/2012

Parabéns Presidenta Dilma!
O Brasil merece e o Nordeste é capaz de aproveitar a energia abundante do sol, para atraves da irrigação, e da fotosíntese, produzir com sustentabilidade, produtos de qualidade a preços competitivos. Gerando emprego e renda, permetindo que sejamos um país rico, que é um pais sem miséria, como bem diz V.Excia.
Politicamente, é necessário que eu diga que nunca fui político, nem candidato, embora tenha sido delegado do PSDB desde a sua fundação, por ideologia, que naufragou com a traição do Presidente Nacional do Partido ¨Tasso Jereissati", ao apoiar a candidatura do PSB do Ceará, governador Cid Ferreira Gomes, a quem reconheço os méritos de excelente gestor, e a quem confiei meu voto na sua reeleição e de seu candidato a prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio.
Concluo dizendo que ficaria contente se o Governo Federal e o PSB fizessem uma  aliança de ídéias e de realizações para o bem do povo brasileiro.

UBIRACI DE SOUZA SANTOS

Vitória da Conquista - Bahia - OUTRA
postado em 16/11/2012

Todo e qualquer esforço empreendido no sentido de minimizar os problemas que afetam sobretudo pequenos produtores é bem visto. Entretanto, o Brasil preserva uma característica que já é histórica quando se trata de políticas públicas voltadas à agricultura: disponibiliza recursos mas não capacita os produtores quanto à sua aplicação. O resultado disso é, de um lado, quantias vultosas adormecidas nas carteiras de financiamento do sistema bancário e, de outro, produtores que precisam do recurso mas não sabem como utilizá-lo, ou utilizando de forma ineficiente. É como se diz popularmente: "dá o anzol mas não ensina a pescar". Tomara que essa "eficiência produtiva" que o programa propõe, de fato seja perseguida. Do contrário, a pescaria tende a ser um fiasco.


Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade