Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Divergências na base do governo podem adiar votação do Código Florestal

postado em 27/04/2011

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Divergências na própria base do governo podem adiar a votação do novo Código Florestal (Projeto de Lei 1876/99 e outros). Tanto o relator, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), quanto o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), asseguram que há condições de chegar a um consenso até a terça-feira (03/05), quando o texto entrará na pauta do Plenário. O líder do PT, deputado Paulo Teixeira (SP), no entanto, pede pelo menos uma semana a mais para estudar as alterações do substitutivo.

O presidente da Câmara, Marco Maia, acredita que somente com a incorporação das sugestões do governo ao relatório haverá reais possibilidades de votação. "Se eu fosse o relator, acataria as modificações que são consensuais; qualquer outra proposta vai encontrar dificuldades para ser votada", afirmou.

Maia manteve o compromisso de incluir o projeto na pauta, mas ressaltou que a decisão de votar ou não será dos líderes partidários: "Vamos manter na pauta de votações no próximo dia 3 ou 4. Essa é uma decisão já tomada que vamos manter. Daqui até lá, nós teremos a câmara de negociação, que ainda está discutindo o código; teremos as negociações que ainda vão ocorrer entre os partidos políticos; teremos as negociações com o relator e também o empenho do governo para fazer valer a sua posição dentro da Casa".

O relator Aldo Rebelo comprometeu-se a entregar a nova versão do relatório até a próxima segunda-feira (02), mas não adiantou que propostas serão acatadas no substitutivo. Paulo Teixeira reclamou não ser possível receber o texto em um dia e votar no outro. "Trata-se de uma questão muito complexa que exige pactuação", sustentou.

Moratória do desmatamento

A pedido do governo federal e de alguns governos estaduais, Aldo informou que vai retirar do texto a chamada moratória do desmatamento. O item proibia os produtores rurais de desmatar novas áreas por cinco anos a partir da publicação da lei.

Mesmo sem acordo

Vaccarezza garante que o projeto será votado na próxima semana, nos dias 03 e 04, mesmo sem acordo. "Ele vai a votação porque tem consenso na maioria absoluta da Câmara", assegurou. Mesma opinião tem o líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), "O texto do deputado Aldo Rebelo está se aproximando da perfeição de conseguir a maioria na Casa. Até a semana que vem, deveremos conseguir isso", asseverou.

O PSDB também quer o início da votação na próxima semana. De acordo com o líder do partido, deputado Duarte Nogueira (SP), "é importante votar logo para ir ao Senado e seguir para sanção antes de junho". Nesse mês, vai expirar o decreto presidencial que suspende as multas aplicadas a produtores rurais que utilizaram áreas que deveriam ser protegidas (decreto 7.029/09).

Propostas do governo

Na reunião de líderes da tarde de ontem (26), o governo apresentou uma série de pontos que defende. Dentre eles, o Executivo quer a manutenção da reserva legal obrigatória para todos os imóveis rurais, e não apenas para aqueles com área superior a quatro módulos fiscais, como prevê o texto de Aldo Rebelo. Esse, aliás, representa um dos dois pontos em que ainda há divergências, conforme afirmaram os líderes.

O outro item que ainda não tem consenso é a medida das áreas de preservação permanente (APPs). O governo advoga a manutenção das extensões vigentes, enquanto Aldo propõe a redução de 30 metros para 15 metros nas margens de córregos e rios com até cinco metros de largura.

Veja outros pontos defendidos pelo governo:

- No caso de compensação de reserva legal, o governo admite que ela possa ser feita em qualquer parte do território nacional, desde que no mesmo bioma, como prevê o relatório. No entanto, condiciona a compensação a áreas prioritárias a serem definidas em regulamento por órgãos ambientais.

- O governo também concorda com a continuidade da utilização de APPs em margens de rios, como prevê o relatório, mas também condiciona essa possibilidade às atividades de interesse social, de utilidade pública e de baixo impacto.

- No caso de rios com até 10 metros de largura, o governo sugere que se admita a recuperação de apenas 15 metros das áreas consolidadas até julho de 2008, e não de 30 metros, como prevê a legislação vigente. O substitutivo em análise prevê a continuidade das atividades em todas as áreas consolidadas até que seja implantado o programa de regularização pelo governo federal.

- O governo aceita também o cômputo de APPs no cálculo da reserva legal. Para isso, entretanto, o imóvel deverá estar registrado no Cadastro Ambiental Rural (CAR), que deverá substituir a averbação das áreas de preservação em cartório.

Íntegra da proposta:

PL-1876/1999

As informações são da Agência Câmara, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

José Ricardo Skowronek Rezende

São Paulo - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 27/04/2011

Estou confiante que desta vez conseguiremos superar os impasses.

Concordo que não se deve dar tratamento diferenciado para os imóveis até 4 modulos rurais e que deva-se retirar a moratória ao desmatamento do projeto. Desmatamentos feitos dentro das regras permitidas, que estão entre as mais rigidas do mundo, devem ser permitidos. E fico feliz em saber que o governo tb apoia a compensação das áreas de APPs no calculo da reserva legal. A polêmica sobre a redução das áreas de APPs ao longo de cursos com até 5 metros pode ser superada criando dois critérios: para as áreas já exploradas e para as ainda não exploradas. A compensação de area de reserva em mesmo bioma tb vai permitir que mantenhamos áreas produtivas e em locais com boa infra-estrutura e garantir a preservação de áreas menos adequadas a produção agro-pecuária. Enfim uma decisão racional.

Ronaldo Marciano Gontijo

Bom Despacho - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 27/04/2011

Nós produtores rurais somos a minoria da população, quem elege os parlamentares é a população urbana. Não precisamos esperar que seja votada uma lei que seja boa para nós produtores rurais, o que será aprovado é com o interesse de ganhar votos.  

marcelo erthal pires

Belém - Pará - Produção de leite
postado em 29/04/2011

...é verdade !


          Caro Ronaldo, mais não podem se esquecer que é o campo que fez nossa balança comercial ser positiva por muitos anos ... por que os ecologistas não pagam pelas terras de APP´s e Reserva Legal, pagam não, na verdade indenisam pelo nosso "ganha pão perdido" ! Porque se desmatar seremos multados, porque eles não podem pagar principalmente, os mais ´verdinhos´ , que insistem em confundir os produtores com devastadores !


Um abraço


marcelo

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade