Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Divergências podem segurar Doha novamente

postado em 17/07/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Mais uma vez a tentativa de fechar a Rodada de Doha pode fracassar. Desta vez, a crise na Argentina pode contaminar as negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC), a partir de amanhã, em Genebra. Ontem mesmo os discursos eram de intransigência e demonstrações de que não há espaço para concessões. Os indianos chegaram a ameaçar abandonar o encontro, informou notícia de Jamil Chade, do jornal O Estado de S.Paulo.

A OMC precisa fechar um entendimento sobre como será feito o corte de tarifas de produtos industriais. Os países ricos alegam que apenas com isso é que poderão oferecer uma liberalização dos setores agrícolas.

Enquanto o Itamaraty se preocupa com a Argentina, cujo negociador-chefe de Buenos Aires, Ernesto Stancanelli, deixou claro que a OMC ainda está distante de um acordo. "O que está sobre a mesa não está de acordo com interesses dos países em desenvolvimento", adiantou, a Índia alardeia que tem o direito de abandonar as negociações. Segundo o ministro do Comércio da Índia, Kamal Nath, os pedidos do país no setor agrícola "não são negociáveis".

O grupo de 11 emergentes, que inclui o Brasil, criticou ainda a falta de equilíbrio entre o que é pedido das economias em desenvolvimento e o que é exigido dos ricos. "A ambição é onerosa aos emergentes", afirmou a África do Sul, em nome do grupo.

O Japão alertou que há muitos pontos ainda sem solução. A Turquia usou a palavra "inaceitável" para descrever a proposta. A China também está insatisfeita. Quer um corte maior das tarifas dos países ricos para poder exportar seus produtos e pede um número maior de anos para se adequar às novas regras. Para Pequim, americanos e europeus conseguirão evitar a importação de US$ 100 bilhões se a atual proposta for aceita.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade