Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Embrapa: economista prevê mudanças na agricultura

postado em 08/10/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O ex-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Eliseu Roberto de Andrade Alves - atual assessor do presidente Silvio Crestana - durante uma palestra na Embrapa Instrumentação Agropecuária, em São Carlos (SP), apontou e alertou para as grandes e importantes mudanças da agricultura, no curto e médio prazos. Ele chamou a atenção para a necessidade de novos rumos e prioridades para a pesquisa, em função da nova agricultura e das novas demandas da sociedade por agroenergia e por alimentos funcionais, terapêuticos e mais saudáveis, além dos trabalhos para salvar a Terra do aquecimento global.

Apontou como exemplo o envelhecimento da população, faixa que se tornará cada vez mais importante como segmento de consumo e de marketing, fundamental portanto para os produtores rurais, para os empresários e para o Governo, este com a responsabilidade de realizar e apoiar pesquisas a serem adotadas pelo setor privado.

Outra importante mudança, segundo Eliseu Alves, é o deslocamento do crescimento econômico, do consumo e, portanto, da atenção de empresas e governos em direção a países emergentes, em especial na Ásia e inclusive na África, que, segundo ele, "já está deixando a estagnação e começa a retomar o crescimento, pois este continente também vai sair da pobreza". "Devemos continuar atentos aos mercados dos países ricos, mas estes não crescerão mais. Os novos e promissores mercados estão nas nações emergentes e inclusive em áreas pobres".

Quanto ao aquecimento global e a degradação do planeta, Eliseu Alves apontou a mudança da matriz energética, para energias ambientalmente limpas, como o álcool, o biodiesel e a biomassa de outros produtos. Em termos de política internacional do Brasil, o economista lembrou que a luta contra as altas taxas de importação e subsídios - adotados pelos países ricos, principalmente Estados Unidos, Japão e União Européia - também representam ações a favor do desenvolvimento brasileiro e do combate à pobreza no Brasil.

Mas ele frisou a necessidade imediata de mudanças no enfoque da pesquisa agrícola, do planejamento e da política agrícola. "Se a Embrapa não mudar de paradigma, no sentido de trabalhar mais estreitamente com a iniciativa privada, dentro de dez anos ninguém mais vai falar da empresa", alertou ele.

As informações são da assessora de imprensa da Embrapa.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade