Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Embrapa no Pecnordeste: controle da CAE depende do interesse do produtor

postado em 25/06/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na quinta-feira (21), último dia de palestras do XVI Pecnordeste, o pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos Rizaldo Pinheiro falou da viabilidade de implantação do sistema integrado de controle da Artrite Encefalite Caprina (CAE), doença que hoje afeta grande parte dos rebanhos e que "depende do interesse do produtor para ser controlada", expõe Rizaldo. Entre os mais de 50 registros feitos no Brasil, apenas um não apresentou animais infectados pelo vírus CAEV. O que se observa é uma maior incidência em rebanhos leiteiros e menor incidência em rebanhos nativos ou criados no sistema intensivo de manejo.

A CAE é uma lentivirose, ou seja, uma enfermidade infecto contagiosa degenerativa de progressão lenta, para a qual ainda não há tratamento ou cura. É causada por um vírus que utiliza o sistema de defesa do hospedeiro para se multiplicar. De forma geral, os lentivírus só afetam uma determinada espécie: BIV e JDV em bovinos, AIEV nos equídeos, FIV em felinos, SIV em símios, HIV em humanos, Maedi-Visna (MVV) em ovinos e CAEV em caprinos.

Entre os caprinos adultos, a transmissão é elevada pelo uso de agulhas, tatuadores e instrumentos cirúrgicos compartilhados sem a devida higienização. Já os animais jovens adquirem o vírus pelo colostro, ao nascer, e pelo leite da cabra. O confinamento coletivo torna o índice de contaminação ainda maior. Também há presença do CAEV no sêmen, sendo o uso de reprodutores positivos fator potencial de transmissão.

A CAE acarreta a depreciação econômica do rebanho, além de ser uma barreira sanitária para o comércio internacional e de comprometer a qualidade do leite. Em estudo conduzido na Embrapa Caprinos e Ovinos, com duração de sete meses, utilizando rebanho de 20 animais, sendo 10 negativos de CAEV e a outra metade positiva, o pesquisador Rizaldo Pinheiro verificou que o grupo infectado produziu 22% a menos de leite. O leite extraído das cabras positivas tinha menos gordura, menos sólidos totais e um número maior de células somáticas, um indicativo de mastite. Além disso, as cabras com CAE necessitaram de até 60% mais vermifugações. O controle parasitário foi feito pelo método seletivo, com uso do cartão Famacha®.

O programa integrado de manejo possibilita o controle da doença, com redução gradual da porcentagem de animais contaminados. Requer uma série de cuidados e ações permanentes e, por isso, depende fortemente do interesse do produtor. Devido à importância do controle, a Embrapa tem contribuído com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento para a definição do Programa Nacional de Sanidade de Caprinos e Ovinos (PNSCO), com incentivo a certificação gradual de rebanhos, desde a baixa porcentagem da doença até o criatórios livres do vírus.

O controle interfere no manejo do rebanho, com identificação dos animais positivos e observação dos fatores de risco e transmissão, adoção de reprodução controlada (por inseminação artificial, por exemplo), parto assistido e separação da cria ao nascer, banco de colostro de cabra negativa ou termizado por 60 minutos a 56°C, banco de leite de vaca e boas práticas de higiene. Os animais devem passar por teste laboratorial de diagnóstico e os positivos são separados. Os negativos devem repetir periodicamente o teste para confirmação da ausência do vírus.

Sintomatologia e diagnóstico

Os sintomas da CAE são nas formas artrítica, nervosa, pulmonar e mamária. Na forma artrítica, aparece o "joelho grosso": higromas (bolsas de líquido sinovial), perda de flexibilidade, dificuldade de locomoção e de articulação, emagrecimento, dor e prostração. O exame clínico indica a presença da CAE medindo o Índice Articular Clínico (IAC). Veja a tabela de IAC desenvolvida pela Embrapa clicando aqui.

Vale destacar que o exame clínico não é comprobatório. É necessário submeter o animal a exames laboratoriais.

Os sintomas nervosos são menos comuns. Quando ocorrem, o animal passa a ter dificuldade de andar, falta de coordenação motora, paralisia posterior do corpo progredindo para a parte anterior, andar em círculo, nistágmo (movimentos oculares oscilatórios, rítmicos e repetitivos), tremores, torcicolo, cegueira e depressão. Na forma pulmonar, o animal apresenta tosse, dispneia, congestão e, muito comumente, pneumonia intersticial. Já os sintomas mamários são mastite intersticial, endurecimento da glândula mamária e queda na produção de leite.

As informações são da Embrapa Caprinos e Ovinos, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade