Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Embrapa propõe novo índice de produtividade rural

postado em 09/09/2009

12 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O engenheiro agrônomo e pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Eliseu Alves defendeu nesta terça-feira, 8, durante audiência pública na Comissão de Agricultura do Senado, a criação de um índice novo em substituição ao índice de produtividade da terra, cuja atualização está sendo discutida pelos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário. Ele salientou que, se o índice em vigor hoje for apenas atualizado, é preciso que passe para um patamar "muito inferior" ao que está sendo estudado. "Se não fizermos isso, poderemos estar puxando a agricultura para o buraco", afirmou.

Segundo pesquisador da Embrapa, o ideal seria a implantação do Índice de Produtividade Total dos Fatores. Esse indicador seria obtido por meio da divisão da renda bruta da propriedade pelo custo total do produtor, assim, se o índice estiver abaixo de 1, significa que a produção não está indo bem. Se estiver em 1, isso quer dizer que o produtor estaria apenas pagando por seus custos e, se estiver acima de 1, mostraria que a propriedade estaria sendo bem utilizada.

O pesquisador ressaltou que os índices de produtividade da terra possuem limite. "A terra deixou de ser o principal critério para medir a produtividade", disse. Ele citou como exemplo o custo dos insumos para o produtor. Além disso, Alves comentou que não há correlação entre o índice de produtividade da terra e a sanidade econômica da fazenda. "Ter alta produtividade não significa que está indo bem em termos econômicos e financeiros", afirmou.

O engenheiro agrônomo encerrou comentando que, se for impossível a adoção de sua proposta, os responsáveis pela atualização do índice da produtividade da terra deverão atentar para o nível de corte do indicador por conta de um possível descasamento entre a relação da produtividade da terra e a relação total dos fatores que compõem a produção. "Se formos modificar os índices de produtividade com raciocínio técnico e econômico, temos que levar em conta o índice de produtividade total de fatores, pois ele leva em consideração todas as forças que estão atuando no mercado, inclusive a ambiental", disse Eliseu Alves.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

luiz alberto rodrigues guimaraes

ivinhema - Mato Grosso do Sul - Produção de gado de corte
postado em 09/09/2009

Até que em fim, uma proposta sensata e de alguém de nível técnico . A embrapa e uma empresa muito séria e competente :
Achei a proposta muito boa, mede a rentabilidade e não a produtividade, porque os custos de produção tem tirado muita gente do seu negocio.
Parabéns...

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 10/09/2009

A imposição arbitrária de novos índices por parte do Governo tem como principal objetivo desapropriar as terras produtivas do país para serem entregues aos baderneiros do MST. Um governo que fecha os olhos e compartilha de ações corruptas como esse não pode mesmo apoiar a uma classe trabalhadora, a qual a nação tanto deve e é isso que recebemos em troca por termos equilibrado a balança comercial, por termos proporcionado ao Brasil condições de se ver livre do pesadelo da dívida externa. Esse governo não quer ver um Brasil desenvolvido, pois em qualquer país desenvolvido existe Escolas de qualidade, com escolas de qualidade a população fica instruída, isso dificultaria a execução do plano mirabolante de transformar o país em uma Nação comunista onde eles permaneceriam no poder ás custas do analfabetismo e da pobreza do povo que votariam em troca de esmolas, esmolas que saem do nosso próprio bolso no momento em que pagamos as maiores tarifas de impostos do mundo.
PEÇO A TODOS QUE ACORDEM...

B J.

Maringá - Tocantins - lkjlkjlkj;pl';ihiuhgig
postado em 10/09/2009

Certo. Essa ideia é correta. Mas quando se diz que se o índice ficar acima de 1 "a propriedade estaria sendo bem utilizada" é um pouco vago, porque o termo "está sendo bem utilizada" está relacionado à eficiência da produção (produtividade) e isso nada tem a ver com o custo que é levado em conta na determinação do índice.

Seguindo a idéia, para ser considerado bom, este índice deveria ficar acima de 1,4 ou 1,5 para ser considerado bom, e não acima de 1...

Capisce?

Walter Jark Flho

Santo Antônio da Platina - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 10/09/2009


O problema continuaria o mesmo .Um indice abaixo de 1 poderia ter sido causado por evento climático (como por ex do trigo no Pr) por preço baixo do produto etc. Acompanho este site há algum tempo ,e leio frequentemente,que o produtor de leite está no vermelho, ou seja menor que 1. Por este critério que considero superficial,os produtores de leite (só para citar um ex) seriam penalizados. Acho que a Embrapa tem condições de apresentar alguma coisa mais consistente.

Everton Gonçalves Borges

IBIÁ/ MG - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 10/09/2009

Quero prabenizar o MilkPoint por apresentar aos leitores as considerações sobre produtividade emitidas pelo grande extensionista/pesquisador da Embrapa, Eliseu Alves, que é um dos mais conceituados técnicos de Minas Gerais/Brasil.

Na realidade são diversos os parâmetros para discutirmos sobre a produtividade no meio rural, tais como: Clima, Condições de Mercado, Preços, custos de insumos, credito rural, etc.

Concordamos totalmente que produtividade da terra não significa bons resultados economicos e financeiros para o produtor. É possível que grande produção e produtividade seja causa de grande prejuizo para o produtor.

Devemos continuar a discutir este assunto e procurarmos evitar que leigos decidam sem conhecimento real do que é a produtividade real do campo.
Um abraço,

Everton Gonçalves Borges
Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Ibiá - MG

Juvenal Borges da Silveira

Riolândia - São Paulo - Produção de leite
postado em 11/09/2009

Voces já perceberam que quem está adquirindo terras, máquinas e implementos para a prática agrária são pessoas de fora do ramo de atividade agropecuária e que os recursos estão vindos de outros setores(cx2, sonegação, tráfico, peculato, etc) não agrários?

O modelo de exploração está falido e ainda estamos discutindo índices de ocupação da terra. Seria mais interessante discutirmos a construção de uma política agrícola e não de tapiação agrária. Dar um enfoque mais econômico-social da terra e menos político e eleitoreiro daqueles que querem manipulá-la. Estamos perdendo uma grande oportunidade, talvez única até então, de tornarmos forte como seleiro do mundo, porém de maneira sustentável (entendam por sustentável o equilíbrio entre todos os fatores da cadeia produtiva, principalmente o social pois, aos olhos dos coletores de impostos, não interessa o quanto de qualidade de vida o produto deixou lá onde emergiu mas sim o quanto ele representa de divisas, tributos, deflação e etc, onde ele chega.

Discutir ìndices sem conhecer realidades das microregiões e ser extrativista de pessoas. Neste contexto, valorizamos a terra e desvalorimaos o homem do campo, em detrimento dos seus índices e produtos. Pode alguém num país democrático ser penalizado porque produziu aquém dos índices?

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 11/09/2009

Parabéns Juvenal Borges, você retratou com precisão a realidade da Agropecuária Brasileira nos dias atuais.
Abraços

Anisio Ferreira Lima Neto

Teresina - Piauí - Pesquisa/ensino
postado em 11/09/2009

O problema não esta no calculo ou recalculo do Indice, mas sim no compromisso dos Governos com o desenvolvimento do meio rural, com um serviço de extensão rural serio e valorizado, com a profissionalização de jovens rurais, com o profissionalismo dos produtores rurais atraves de uma assistencia tecnica comprometida e valorizada e com a construção de uma verdadeira politica agricola que fortaleça e apoie a quem trabalha e produz, e não aqueles que desejam usar o setor primario para protagonizar suas politicagem usando pessoas desinformadas e esperançosas para a conquista de dias melhores. Estes grupos ou pessoas são que mais atrasa o nosso meio rural.

sergio pizzo

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Produção de leite
postado em 29/09/2009

O índice proposto mede resultado sob a ótica RECEITA e CUSTO - a diferença entre elas é conhecida como LUCRO. Receita/custo dá um "INDICADOR DE RESULTADO", que é financeiro. A produtividade está ligada à produção.

Marcos Tadeu Cosmo

Sales - São Paulo - Produção de leite
postado em 01/10/2009

Produtividade da terra? Por que o governo quer determinar a produtividade das nossas terras?

Ora, se estamos em um regime democratico e capitalista, deve ser o meu bolso quem dita a produtividade do meu quinhão. Como o pequeno produtor vai provar produtividade com produtos que saem barato do campo e chegam tão caros ao consumidor.

A relação custo x receita é perversa na CADEIA (perdoem o trocadilho) rural, o produtor não cria o preço dos seus produtos, assim como não comanda os preços dos insumos que compra. Somos barcos a deriva e vamos para onde a agua nos levar.

Tem que haver algo de muito podre por tras dessa ideia estapafurdia.

O cheiro não é bom.

Artur Queiroz de Sousa

Cambuquira - Minas Gerais - Produção de café
postado em 01/10/2009

O Dr. Eliseu de Andrade Alves, é um grande estudioso do assunto, e respeita-lo é um feito correto. Não existe forma de estudarmos a questão de índices de produtividade, sem levar em consideração a rentabilidade. Em Zootecnia, é exatamente isso que fazemos, tanto quando avaliamos o resultadoe de nutrição versus produção, bem como adubação versus produção, e assim por diante.

Sempre admirei a indústria, pelos índices de produtividade que sempre medem o desempenho de um produto, de uma linha de produtos, de uma Equipe.
Sei que a terra tem que cumprir sua função social, mas contudo, fico apreensivo porque estamos sempre produzindo sem comparativos com outros países. Talvez aí estejamos equivocados, porque produzir neste pais sem subsídios, sem infra estrutura, é por demais dificil, e agora sem lucratividade. Tenho que avaliar bem a proposta do professor Eliseu, mas acredito que é bem melhor do que a que temos até agora.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 06/10/2009

Prezado Sr. Marcelo Tadeu Cosmo, sabe onde esses loucos querem chegar com a imposição desses novos índices de Produtividade ? Querem ter argumentos para desapropriarem terras produtivas para serem entregues aos bandidos do MST.
É um absurdo o destino que estão dando ao nosso País, e o que é pior, a grande massa de Brasileiros estão de olhos vendados, aplaudindo, apoiando esses bandidos pelas notícias que a mídia, corrompida e descompromissada com os interesses da Nação, veicula diariamente distorcendo a realidade.
O Brasil merecia outro destino. A Educação no Páis acabou, os Brasileiros não se interessam por Política, não se informa, são facilmente manipulados por esses bandidos, através da Rede Globo.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade