Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Empresas produzirão biodiesel a partir de capim napier

postado em 22/02/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Uma parceria realizada entre o grupo franco-brasileiro Agrenco e o grupo japonês Marubeni Corporation viabilizará a construção de três complexos de bioenergia no Brasil, sendo três usinas de biodiesel, além de duas usinas de energia elétrica e duas indústrias de esmagamento de soja. A energia elétrica dos três complexos será gerada por meio da queima de biomassa de capim napier, também conhecido como capim-elefante.

Serão plantados 10.000 hectares de napier para este fim. A gramínea é bastante utilizada na Europa e produz mais energia do que o eucalipto, quando queimado.

A intenção é que os três complexos comecem a produzir em janeiro de 2008, cerca de 380 mil de toneladas de biodiesel por ano, seguindo a regulamentação da União Européia. O investimento será de US$ 190 milhões em energia, por meio da companhia Agrenco Bioenergia, um ramo do Grupo Agroenco voltado à produção de bioenergia. Os locais escolhidos são as cidades de Alto Araguaia (MT), Caarapó (MS) e Céu Azul (PR).

"Escolhemos o Brasil não só por ser o país dos fundadores da Agrenco, mas por ser o único local no mundo que poderá ter sua produção ampliada duas ou três vezes em pouco tempo e sem danos à natureza", diz o CEO da Agrenco, Antonio Iafelice.

A produção será voltada para a exportação. Estão em andamento negociações com a prefeitura de Tóquio para que o biodiesel brasileiro (do tipo B-100) seja utilizado no transporte público da cidade. "Também vemos um grande mercado na Europa, que estabeleceu metas de consumo", diz Iafelice. Em janeiro, a União Européia se comprometeu a utilizar 10% de biocombustíveis (biodiesel ou etanol) misturados aos combustíveis tradicionais até 2010.

A Marubeni investirá US$ 40 milhões na Agrenco Bioenergia e vai controlar 33% da companhia. Os demais 67% ficam com a Agrenco. É o primeiro investimento das empresas no setor. As informações são de Ana Paula Lacerda e Andrea Vialli para o O Estado de S. Paulo.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade