Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Empresas têm lucros apesar da queda em fertilizante

postado em 24/10/2008

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Dona de 33% do mercado internacional de fertilizantes - e de outra grande fatia do agronegócio mundial -, a Bunge está com os estoques em alta e os cofres em baixa. A gigante do setor informou que o lucro do terceiro trimestre declinou 33% em virtude da queda na demanda por rações, fertilizantes e serviços para armazenamento e transporte de safra. O lucro líquido da empresa caiu para US$ 234 milhões, do alto de US$ 351 milhões faturados em igual período do ano passado. "No caso de fertilizantes, aqui no Brasil houve uma queda no trimestre equivalente a 25%, mas de janeiro a setembro, nós tivemos um crescimento de receita de 179%", pondera Adalgiso Telles, diretor de comunicação corporativa da Bunge no Brasil.

A Fosfertil, maior produtora de matérias-primas para fertilizantes do Brasil, comemora um lucro líquido de R$ 679 milhões nos nove primeiros meses do ano, receita 84,6% maior que aquela faturada no mesmo período de 2007. Outra que também tirou proveito da alta superior a 100% verificada nos preços dos fertilizantes no último ano foi a Potash Corp. O lucro líquido da empresa do terceiro trimestre quintuplicou e chegou até US$ 1,24 bilhão, valor que, a três meses do fim do ano, já excedeu todo o lucro líquido de US$ 1,1 bilhão registrado no ano de 2007.

"O que aconteceu com a Bunge foi um erro de estratégia. A empresa fez estoques violento apostando em um consumo ainda maior, o que não aconteceu", analisa Elizabeth Chagas, consultora do setor - o dólar fechou o dia de ontem (23) cotado a R$ 2,30. "A Bunge já comprometeu até o primeiro trimestre do próximo ano", completa. Ainda de acordo com a consultora, é na safrinha de milho 2009 que o excesso de estoque vai levar o preço do insumo ao menor nível histórico. José Amaral, da Scot Consultoria, encontra justificativa também na realização de contratos físicos quando o bushel da soja estava cotado a US$ 16. "O alto preço das commodities era uma certa bolha, e os atuais também não estão baseados em nenhum fundamento, os estoques estão baixos e ainda não se confirmou a esperada queda na demanda por alimentos em virtude da crise".

No Brasil, o volume de fertilizante entregue ao consumidor em setembro chegou a 2,2 milhões de toneladas, queda de 25,30% em relação ao mesmo período de 2007, segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda). No acumulado do ano, o consumo foi de 18,21 milhões de toneladas, alta de 4,09%, em comparação com mesmo período de 2007.

Voltando às quedas amargados pela Bunge, o lucro de agronegócio caiu 55% indo parar na casa dos US$ 170 milhões em conseqüência da queda na demanda por produtos a base de soja. Os contratos a futuro da soja tropeçaram 47% desde o recorde de US$ 601,38 a tonelada em julho, enquanto os futuros do milho registraram queda de 52% desde o recorde de US$ 314,65 em junho. A empresa incorreu em perdas cambiais de US$ 215 milhões com a desvalorização do real com o financiamento de capital de giro denominado em dólar.

A diretora financeira, Jacqualyn Fouse, acredita que "as margens de lucro dos fertilizantes devem permanecer positivas, embora os volumes negociados fiquem em nível moderado devido as compras antecipadas que ocorreram no primeiro semestre do ano e às correntes condições restritas de crédito agrícola", disse Fouse.

As informações são do jornal Gazeta Mercantil, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Amarildo J Sartóri

Vargem Alta - Espírito Santo - Consultoria Ambiental/produtor de café
postado em 24/10/2008

Observem esse pequeno trecho do artigo acima:

"No caso de fertilizantes, aqui no Brasil houve uma queda no trimestre equivalente a 25%, mas de janeiro a setembro, nós tivemos um crescimento de receita de 179%", pondera Adalgiso Telles, diretor de comunicação corporativa da Bunge no Brasil."

Isso significa, que o aumento dos preços de fertilizantes nos últimos meses não teve muito a ver com o aumento da demanda mundial pelo produto, custos com transportes, valor do dolar ou outros fatores divulgados para justificar os preços absurdos. E sim, que a única explicação plausivel, foi a especulação e a ganancia por uma maior margem de lucro das empresas que dominam o mercado.

Grato


juliano miranda piedade

Três Pontas - Minas Gerais - Varejo
postado em 28/10/2008

Se o governo não tomar alguma providência com relação ao preço dos fertilizantes, nós, produtores de café, não teremos condições de adubar nossas lavouras, visto que a safra foi baixa e está sendo comercializada a preços ridículos quando comparados ao custo dos insumos e da mão de obra utilizados na produção.

No ano passado, compramos uma tonelada de adudo por 3,5 sacas de café. Em cotação feita este ano, o mesmo adubo custava 7 sacas de café. Está na hora dos governantes olharem pela cafeicultura, pois a situação do setor é grave. Já faz anos que estamos amargando prejuízos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade