Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Enzimas de bactérias de cabras podem produzir etanol

postado em 03/06/2011

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Duas bactérias presentes no bolo alimentar de cabras brasileiras, da raça Moxotó, podem ajudar na produção de etanol de 2ª geração, produzido a partir do bagaço da cana de açúcar. É o que apostam os pesquisadores da Universidade de Brasília que há um ano se debruçam em estudos sobre o tema.

Uma das etapas mais importantes foi garantida há um mês, quando os cientistas sequenciaram o genoma das duas bactérias. O mapeamento levou apenas dez horas, tempo recorde no país, e foi o primeiro realizado no Centro de Genômica de Alto Desempenho do DF, inaugurado há um ano. Sem o equipamento, o trabalho levaria meses para ser realizado.

O sequenciamento vai permitir a descoberta das enzimas com maior potencial para serem usadas comercialmente. Elas servem para degradar a celulose encontrada no bagaço da cana-de-açúcar, que, ao passar por uma rodada de fermentação, gera glicose, condição para produzir o etanol de 2ª geração. "O bagaço muitas vezes não tem utilização. A nossa intenção é aumentar a produção e reduzir o custo", explica o professor Marcelo Valle de Sousa, do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília e coordenador do Núcleo de Genômica, Proteômica e Enzimologia de Fungos e Bactérias Anaeróbicas Lignocelulolíticos. "Foi um feito inédito no Brasil", comemorou o professor.

A fermentação é um processo que gera calor. Essas duas bactérias, chamadas de Morella thermoacetica e Clostridium thermocellum, são termoestáveis, ou seja, resistentes a altas temperaturas. Elas foram escolhidas para a caracterização porque são campeãs em produção de enzimas. Os pesquisadores ainda não comprovaram, mas acreditam que essas enzimas também não sofrem alteração em temperaturas elevadas. "Se nós conseguirmos fazer a produção dessas enzimas em grande escala, em parceria com empresas, ficaria mais barato produzir o etanol", justifica o pesquisador. "Um empresa dinamarquesa vende enzimas para o mesmo fim, mas o custo é alto", explica Marcelo.

A professora Eliane Noronha, do Instituto de Ciências Biológicas, que também faz parte do projeto, conta que o próximo passo da pesquisa será selecionar as enzimas com maior potencial para serem usadas comercialmente. "Todas as técnicas conhecidas até agora não são econômicas o suficiente para serem usadas na indústria", afirma.

Quando a enzima for descoberta, uma possível estratégia será incorporar o gene da bactéria em leveduras, fungos que já são usados na produção de etanol. "Assim o mesmo organismo poderia ser empregado nos dois processos, ou seja, na produção de etanol de 1ª e de 2ª gerações", explica. "Isso resultaria em um processo ainda mais econômico para as empresas", completa Eliane.

Além de degradar o bagaço de cana-de-açucar, as enzimas podem atuar em fibras de bananeiras, usadas também para a produção de etanol. Fármacos e cosméticos também podem ser produzidos. Servem, por exemplo, para amaciar tecidos e massa de pão, além de tratar papel, deixando-o branco. "As enzimas podem ser utilizadas em vários biomateriais que contém celulose. Podemos transformar o que é rejeito em utilidade", afirma Marcelo Valle.

Além dos professores da UnB, participam do estudo pesquisadores da Universidade Federal de Goiás, da Embrapa Agroenergia e da Universidade Católica de Brasília (UCB), além de estudantes desde a iniciação científica até o pós-doutorado. O grupo foi contemplado com R$ 1,5 milhão do edital do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) e já recebeu R$ 500 mil.

Por enquanto, o dinheiro foi utilizado para pagar as bolsas dos estudantes, comprar equipamentos e reagentes importados. Pesquisador da UCB, que fará a parte de Bioinformática, vai organizar o banco de dados. A Embrapa entrará com as estratégias futuras para a produção em grande escala.

As informações são da UnB (Universidade de Brasília), adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Elcio do Couto Rosa

Ribeirão Preto - São Paulo - Vendas e Administração/Agropecuária
postado em 04/06/2011

Auspicioso este estudo, pois com certeza irá contribuir com maior produtividade da cana, e traz consigo fato alentador para a economia nordestina com o provável incentivo a melhoria do rebanho de cabras, incrememtando aquela economia rural.
- Estes pesquisadores é que fazem a diferença e nosso país. Parabéns.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade