carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

ES: capixabas produzem cordeiros de alto rendimento

postado em 19/08/2014

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Com uma área de cerca de 46.000 km², o Espírito Santo possui extensão territorial adequada para comportar rebanhos de pequeno porte. É por esta razão que nos últimos anos a ovinocultura cresceu no estado. Hoje, o plantel capixaba aproxima-se das 50 mil cabeças, formadas principalmente pelas raças Santa Inês, Dorper e White Dorper.

O cruzamento industrial é uma ferramenta que tem ajudado na melhoraria da eficiência na produção da carne de cordeiro. “O cruzamento das raças Dorper e White Dorper com o Santa Inês tem aumentado significativamente o rendimento de carcaça e a precocidade dos cordeiros”, explica Alcílio José Boechat, mais conhecido por Zezinho Boechat, presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos no Espírito Santo (ACCOES) e representante estatual da Associação Brasileira dos Criadores de Dorper (ABCDorper).

O real desafio dos capixabas é o mesmo de toda a ovinocultura nacional: organizar a cadeia produtiva e conseguir produzir em escala industrial. O estado possui dois frigoríficos com Selo de Inspeção Estadual (SIE) e outros dois estão em fase de construção. A procura por carne de cordeiro é crescente, mas falta produto de qualidade - e em quantidade - no mercado. “Uma boa demanda existe, porém, a produção ainda é tímida. Boa parte do cordeiro consumido no ES é trazida de outros estados e até mesmo de países vizinhos”, avalia Boechat.

Mão de obra qualificada também é um gargalo a ser superado pelos produtores. Uma solução surgiu de uma parceria público-privada entre ACCOES, Sebrae e a Secretaria de Agricultura do Espírito Santo. O Programa Cordeiro Capixaba busca fornecer consultoria tecnológica aos produtores, com o objetivo de aumentar a produtividade e a qualidade de carne do cordeiro capixaba. E considerando o consumo médio estimado de carne ovina, de 1,00 kg/hab/ano há no estado a necessidade de 3.500.000 kg de carne de ovinos. Isso exigiria 234 mil animais. Hoje, o quilo vivo de cordeiro é comercializado a R$ 7.

“O Espírito Santo possui bons produtores dedicados a seleção de animais de alto potencial genético, a principal fonte dos reprodutores comerciais que serão utilizados nos projetos de carne”, aponta o presidente da ACCOES. A ACCOES possui 45 sócios e atende um rebanho de 10 mil ovinos e caprinos.

A programação completa de ovinos e caprinos da GranExpoES está disponível no site www.accoes.com.br.

As informações são da Agência Pec Press, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

CLEMENS BARBOSA DE NOVAIS JR.

Barra do Garças - Mato Grosso - Produção de ovinos de corte
postado em 25/08/2014

O GRANDE DESAFIO APONTADO ACIMA NÃO É SO DO E. SANTO,QUE É ORGANIZAR A CADEIA PRODUTIVA, AQUI EM MT TAMBÉM.
ESTAMOS ATRAVÉS DA NOSSA ASSOCIAÇÃO - OVINOMAT, NOS REUNINDO, BUSCANDO PARCERIAS, APOIANDO  PROJETOS DE PRODUÇÃO DE CARNE EM ESCALAS MAIORES, INCENTIVANDO NOVOS CRIADORES, DIGA-SE AQUI SÃO VÁRIOS QUERENDO CRIAR E NÃO ESTÃO ENCONTRANDO FÊMEAS / MATRIZES COMERCIAIS, DIANTE A UM ABATE DESENFREADO DE FÊMEAS OCORRIDO A ALGUNS ANOS NO ESTADO.
MAS A DEMANDA EXISTE, IDÉIAS SURGEM, MATERIAL GENÉTICO TEMOS BASTANTE, COM DESTAQUE A DORPER, WHITE D. E SANTA INÊS.
ESTE "NOSSO" TEMA - OVINOCULTURA - É BOM, DESAFIADOR, POIS COM RARAS EXCEÇÕES, ANDAMOS QUASE SOZINHOS, MAS O CORDEIRO ESTÁ CHEGANDO À MESA DOS CONSUMIDORES E FAREMOS FORÇA PARA QUE ESTE PRODUTO CHEGUE EM DESTAQUE NO LUGAR QUE MERECE.
PARABÉNS ESPÍRITO SANTO.
CLEMENS

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade