Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Espanha tem problemas com a identificação eletrônica

postado em 25/04/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A União de Pequenos Agricultores e Pecuaristas (UPA) da Espanha, em uma reunião de trabalho com responsáveis do Ministério da Agricultura (MAPA), reclamou sobre as dificuldades que os pecuaristas estão tendo para implantar o bolo eletrônico em ovinos e, sobretudo, em caprinos. Além dos problemas de implantação, conseqüência da mortalidade e os problemas de tolerância do sistema - nula em caprinos -, o sistema tem custos elevados e um manejo complexo, tanto na implantação como na manutenção.

A implantação do bolo ruminal é um método agressivo para os animais, com risco de asfixia, com o risco sendo maior quanto menor o tamanho e a idade do animal. Além disso, grande parte dos produtores se mostra resistente ao sistema dado seu risco e o trabalho de sua colocação. Segundo o UPA, o sistema tange os limites do bem-estar animal; é um método de colocação complexo; o gado caprino regurgita o bolo, perdendo-se mais de 30% dos dispositivos em média; é claramente nocivo aos animais; e, o mais importante, não garante a identificação correta dos mesmos.

Segundo as verificações que a UPA realizou na União Européia (UE), atualmente não se está organizando um sistema de identificação homologado e coordenado no território europeu, inclusive há países que nem sequer começaram a implantar um sistema de identificação eletrônica e outros que pedem que não seja obrigatório, como é o caso do Reino Unido e da Áustria.

Por isso, a UPA pediu ao MAPA o cancelamento deste sistema e a busca de sistemas alternativos de identificação menos agressivos com os animais e sem custos para os criadores. A UPA conseguiu que o MAPA avalie a possibilidade de uma derrogação do sistema atual de identificação e o início da busca de um novo sistema coordenado e harmonizado para toda a UE.

Vale recordar que a maioria dos países da UE não está implantando sistemas de identificação eletrônica, mas somente realizando experiências pontuais em granjas. Por isso, sendo a Espanha o país com estudos mais avançados e o segundo rebanho mais importante de ovino e caprino da UE, deve liderar a identificação eletrônica, propondo alternativas que sirvam como modelo europeu.

A reportagem é do site da UPA (www.upa.es).

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade