Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Estudo mostra que sanidade não é prioridade no Mapa

postado em 29/08/2006

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Estudo mostra que a área de defesa e vigilância sanitária não aparece entre as prioridades da política agrícola por destinação de recursos. O estudo 'Gastos Públicos em agricultura, retrospectiva e prioridades', apontou que o Mapa destinou apenas R$ 92 milhões para a defesa sanitária animal e outros R$ 14,6 milhões para a vegetal e nada para a vigilância sanitária.

É muito pouco se comparado ao potencial dos mercados que estão fechados às exportações brasileiras por problemas sanitários. Os números também são reduzidos em comparação ao que recebem quatro grupos que, somados, concentram 89,14% dos recursos para a política agrícola. São eles o programa de Desenvolvimento da Economia Cafeeira (R$ 1,275 bilhão, equivalentes a 15,12% dos recursos para agricultura); o Programa Nacional de Agricultura Familiar Pronaf (R$ 1,782 bilhão, correspondentes a 21,13%), o programa de Produção e Abastecimento Alimentar (de estoques, que recebeu R$ 2,874 bilhões ou 34,07%) e o apoio administrativo (custeio do Mapa, inclusive pessoal, que teve R$ 1,587 bilhão ou 18,82% dos recursos), segundo notícia do Estadão/Agronegócios.

De acordo com notícia de Adriana Chiarini, para o jornal Estado de S. Paulo, os problemas sanitários com suínos e bovinos, como a febre aftosa, deixam o Brasil fora de mercados que, somados, dão mais de US$ 16 bilhões. O valor está baseado em dados de 2004 de países selecionados que eram totalmente fechados às importações dessas carnes brasileiras ou que ameaçavam se fechar caso novo foco de febre aftosa aparecesse, como ocorreu posteriormente.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Jose Antonio Vieira da Silva

Rondonópolis - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 29/08/2006

É uma pena, se bem que já estamos quase acostumados a vivermos sem benefícios de nossos dirigentes. Para os produtores não precisa fazer nada basta não atrapalhar.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade