Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

EUA: alimentos de crias de clones chegam ao mercado

postado em 02/09/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Leite e carne oriundos de crias de animais clonados estão se infiltrando aos poucos e sem alarde na cadeia de suprimento alimentar dos Estados Unidos. O número de clones está crescendo e ninguém está monitorando a expansão das linhagens. Em janeiro, a Administração de Alimentos e Remédios dos EUA (FDA) declarou que produtos vindos de vacas, porcos e cabras clonados - e de suas crias originadas convencionalmente - não ameaçam a saúde.

Phil Lautner, dono de uma fazenda em Jefferson, Iowa, diz que há "vários anos" manda para abate reses geradas por matrizes clonadas. Ele disse que, no momento, possui entre 50 e 100 crias de reses clonadas. "Não há a menor diferença entre clones, crias de clones e crias de animais não clonados", diz ele.

A clonagem permite que os criadores reproduzam os animais com as características de seu interesse, como imunidade a determinadas doenças ou capacidade de produzir mais leite. Poucos têm usado essa possibilidade por causa do custo - cerca de US$ 20.000 por cabeça - e porque as autoridades reguladoras americanas pedem à indústria de alimentos que voluntariamente evite vender produtos feitos a partir de animais clonados.

Consumidores e grupos ativistas também resistem à comercialização desses animais por razões éticas, de saúde ou ambientais. Os animais clonados tendem a ter mais problemas de saúde no nascimento do que os gerados de forma tradicional e há muito poucos estudos de acompanhamento dos clones ou de suas crias durante todo o ciclo de vida.

A agência de segurança alimentar da União Européia divulgou relatório em julho admitindo que a clonagem animal "está à beira de amplo uso comercial e deve se expandir na cadeia alimentar global antes de 2010". O relatório também diz que alimentos oriundos de suínos e bovinos clonados são seguros, apesar da oposição de um painel da UE à venda desses produtos, por razões éticas. A Comissão Européia ainda não definiu nenhuma política sobre o assunto.

As informações são do jornal Valor Econômico, adaptadas e resumidas pela Equipe MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade