Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

EUA avaliam cortar subsídio à agricultura

postado em 12/04/2011

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A busca por cortes no orçamento dos EUA chegou a esse ponto: até os subsídios à agricultura - despesas de bilhões que os dois grandes partidos do país, o Democrata e o Republicano, apoiam há anos - entraram em jogo. Com o setor agrícola a todo vapor e Washington de dieta, um programa criado nos anos 90 que distribui recursos para produtores rurais pode ser reduzido ou eliminado ano que vem, quando o Congresso americano propuser uma nova lei agrícola quinquenal.

Um grupo de políticos de direita está de olho nesses pagamentos, e até mesmo os democratas de Estados agrários que gostam do programa dizem que a alta das commodities agrícolas dificulta a defesa dos US$ 5 bilhões gastos nisso anualmente.

Washington está buscando maneiras de economizar em tudo, até mesmo em programas antes considerados sagrados, como os de incentivo agrícola e os gastos com defesa. O rascunho do presidente da Comissão Orçamentária da Câmara, deputado republicano Paul Ryan, para o orçamento de 2012 quer cortar os subsídios agrícolas, reduzindo-os em US$ 30 bilhões em dez anos - começando quando a próxima legislação agrícola for aprovada, ano que vem.

Os subsídios agrícolas que estão em risco deveriam ser temporários. Os pagamentos resistiram e agora se tornaram um item fundamental dos subsídios agrícolas americanos. Os pagamentos diretos de US$ 5 bilhões para os produtores responderam por cerca de um terço do total de subsídios agrícolas concedidos ano passado, segundo dados do governo.

Os subsídios agrícolas já sobreviveram a outras tentativas de cortá-los, e seus defensores provavelmente vão alegar que os produtores rurais japoneses e da União Europeia continuam recebendo assistência. Desta vez, a indústria agrícola americana coibiu sua defesa do status quo.

A matéria é de Bill Tomson e Siobhan Hughes, do The Wall Street Journal, publicada no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

ALCANCE PECUÁRIA

Bauru - São Paulo - Técnico
postado em 12/04/2011

Se isto se confirmar,teremos uma revolução na agricultura lá e cá!!!

marcelo erthal pires

Belém - Pará - Produção de leite
postado em 12/04/2011

Prestentem atenção, se isto for real (verídico), creio que será uma rendeção para nossa agropecuária, ... pois apesar de todos os problemas os EUA ainda consomem bastante, coisa que os chineses , tigres asiáticos e indianos só agora começam a entrer mais a sério no Mercado Consumidor, esta entrada é paulatina, mas segura e irreversível .
um abraço
marcelo

Darlani Porcaro

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 15/04/2011

Os subsidios , é muito importante para manter o homem no campo , seja em qualquer lugar, pois o setor agropecuario é o mais importante para manter o ser humano. Se não tivermos uma segurança alimentar creio eu que vai ficar mais dificil, com violencias e outros males maior á sociedade, defendo sim , um subsidio organizado, pois é a energia humana de um país.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade