Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

EUA: exportações compensam baixa oferta de cordeiros

postado em 22/11/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Durante a sessão geral da Conferência de Planejamento Estratégico da Federação de Exportação de Carnes dos Estados Unidos (USMEF, sigla em inglês), realizada em 4 de novembro, as exportações de carne de cordeiro do país foram citadas à medida que o vice-presidente executivo de vendas e marketing da Superior Farms, localizada em Davis, Califórnia, Gary Pfeiffer, forneceu aos participantes uma atualização sobre a indústria de carne de cordeiro do país.

Apesar de o rebanho ovino dos Estados Unidos estar pequeno, as exportações de carne de cordeiro estão beneficiando a indústria e ajudando a fornecer bons retornos aos produtores, disse ele. Até agosto desse ano, as exportações de carne de cordeiro aumentaram 72% com relação ao ano anterior em termos de volume (12,882 milhões de quilos) e 42% em termos de valor (US$ 21,2 milhões). Ainda faltando quatro meses para acabar o ano, prevê-se que as exportações deverão quebrar o recorde anual de volume exportado de 13,925 milhões de quilos no valor de US$ 27,8 milhões, ambos estabelecidos em 2006.

"A safra anual é de somente 2,5 milhões de cabeças, que é um crescimento incrível no valor do cordeiro. Esse ficou em média em US$ 300 por cabeça. Para um cordeiro de 34 quilos, isso significa cerca de US$ 8,8 por quilo, o que é um bom retorno ao produtor".

"O que estamos vendo no mundo é um mercado muito forte no futuro à medida que a demanda por carne de cordeiro, bem como por todas as proteínas, continua muito forte. Estamos certamente esperando que esses retornos recordes levem à reconstrução do rebanho, porque podemos usar toda a carne de cordeiro que produzimos".

Apesar de as ofertas de carne de cordeiro estarem pequenas, os mercados de exportação representam uma oportunidade muito crítica, disse Pfeiffer.

"Nos Estados Unidos, 50% da carne de cordeiro consumida é importada da Austrália e da Nova Zelândia. Assim, se produzimos somente metade da oferta dos Estados Unidos e não temos carne suficiente para suprir nossas necessidades, por que exportar? Certamente, existem algumas boas razões para querermos exportar".

"Vemos uma oportunidade para maximizar os retornos a nossos produtos premium. Podemos capturar maiores retornos em mercados anteriormente exclusivos no uso de produtos australianos e neozelandeses e certamente melhorar os retornos dos miúdos. Os americanos não consomem muitos miúdos de cordeiros, mas em outros mercados, esses são itens importantes".

"Grande parte de nossas cabeças e miúdos vai ao México quando o preço está certo. O Caribe é um grande mercado para nós. O Canadá é um mercado que tem sido dominado pela Nova Zelândia há anos. Assim, fico satisfeito em dizer que fomos capazes de capturar participação significante no mercado varejista nesse país nesse ano. A América Central e a do Sul, bem como China/Hong Kong, representam um pequeno negócio de exportação hoje, mas certamente, são oportunidades incríveis para o futuro".

A reportagem é do www.sheepusa.org, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade