Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

EUA têm queda no consumo de carne de cordeiro

postado em 11/04/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O consumo de carne de cordeiro e de carneiro nos Estados Unidos caiu nos últimos quatro anos e deverá se manter estável em 2012, de acordo com o American Lamb Board. Especialistas culpam a recessão econômica e os altos preços relativos da carne de cordeiro com relação a outras carnes por essa queda.

Há também o medo do desconhecido. Quase 40% dos americanos nunca comeram carne de cordeiro, de acordo com uma pesquisa de 2011 do American Lamb Board. "As pessoas não sabem direito o que fazer com ela", disse a diretora de marketing da processadora de carne de cordeiro, Superior Farm, em Dixon, Califórnia, Angela Gentry. "A indústria alimentícia tem feito a carne de cordeiro parecer como um produto especializado, como animais de caça".

Muito popular entre as crescentes populações de imigrantes nos Estados Unidos, a carne de cordeiro está começando a ganhar popularidade entre jovens, consumidores ousados que assistem programas de alimentos na televisão. Uma campanha da indústria está sendo feita para que os produtores aumentem seus rebanhos. "Para nossas lojas, a carne de cordeiro é uma categoria muito boa. Está crescendo a cada ano", disse o coordenador global de carnes do Whole Foods Market Inc, Theo Weening. "Os programas e revistas de culinária estão deixando as pessoas mais confortáveis".

O consumo de carne de cordeiro dos Estados Unidos alcançou seu pico nos anos quarenta de 2,9 quilos por pessoa e, desde então, vem caindo para pouco mais de 0,45 quilos por pessoa/ano, de acordo com um relatório da Academia Nacional de Ciências.

Especialistas citam uma variedade de fatores durante essas décadas, incluindo mudanças na produção de lã em outros países. Os produtores de ovinos dos Estados Unidos estão envelhecendo e poucas pessoas jovens estão tomando seus lugares, apesar do potencial de um negócio lucrativo, disse Gentry. Apesar disso, alguns vendedores de cordeiros fizeram grandes vendas nessa primavera, época em que 20% de toda a carne de cordeiro é comprada nos Estados Unidos devido à Páscoa cristã e judaica.

A carne de cordeiro importada, principalmente da Austrália e da Nova Zelândia, representa cerca de metade do consumo de carne de cordeiro dos Estados Unidos. No entanto, o dono do McCall's Meat and Fish Co., em Los Feliz, Nathan McCall, disse que o desejo dos clientes por alimentos produzidos localmente "é maior do que ele poderia imaginar. É tudo sobre exposição na mídia. As pessoas estão se tornando mais conscientes".

Marcie Jimenez, produtora da Santa Ynez Valley que vende sua carne de cordeiro regularmente no Santa Monica Farmers Market concorda. "Vejo uma grande tendência em direção ao consumo de carne de cordeiro local e as pessoas querem saber quem está produzindo seu alimento e de onde ele vem". Ela disse que sempre tenta educar as pessoas sobre sua atividade, dizendo que as pessoas querem comprar costeleta de cordeiro. Ela disse que "ainda tem o restante do animal" para vender. Sua expectativa era vender até 10 cordeiros na semana da Páscoa, mais que os dois ou três vendidos normalmente.

A reportagem é do www.meattradenewsdaily.co.uk, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade