Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Europa prevê acordo com Mercosul em 2011

postado em 10/11/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A União Europeia colocou como uma de suas metas concluir o acordo comercial com o Mercosul em 2011, já no primeiro ano do governo de Dilma Rousseff. Em sua nova estratégia comercial apresentada ontem (09), Bruxelas insiste que a abertura dos mercados dos países emergentes será o principal motor da diplomacia da UE até 2020 e que não vai mais esperar pela conclusão da Rodada Doha para conseguir seus objetivos.

O Brasil é um dos seis principais focos de atenção do bloco nos próximos dez anos e a União Europeia promete proliferar acordos bilaterais. A estimativa da UE é de que grande parte do crescimento no consumo estará nos países emergentes, e não em seu mercado doméstico. Sua própria avaliação é de 90% do crescimento mundial ocorrerá fora da Europa. Desse total, um terço virá da China. Portanto, a estratégia deixa claro que exportar terá de ser a solução para que a economia da UE continue crescendo. "Nossa prioridade na política comercial é ganhar acesso às economias que mais crescem no mundo e, em particular, por acordos comerciais", diz a estratégia.

Bruxelas não esconde que sua prioridade será conquistar os mercados da Ásia, derrubando barreiras comerciais. Acordos comerciais com Malásia e Vietnã estão entre as principais metas, além de um novo entendimento com a China. A UE ainda quer garantias de que terá acesso a matérias primas e minérios que abastecem suas indústrias, mas que hoje estão todos em solo de países em desenvolvimento.

O Mercosul promete também trazer ganhos para os europeus. Não tanto pelo tamanho do mercado que representa, mas em relação ao tamanho das tarifas que afirmam sofrer para exportar para a América do Sul.

Hoje, o Mercosul é o oitavo parceiro comercial da UE e representa apenas 2,5% de tudo o que os europeus exportam para o mundo, taxa inferior ao que representa o mercado indiano. Mas Bruxelas quer reduzir o déficit de quase 8 bilhões com o bloco, obtido em 2009. Para 2011, portanto, a meta é a de concluir o acordo que há onze anos já é negociado. Ainda neste mês, um encontro entre os dois blocos deve estabelecer a agenda de reuniões para o próximo ano.

A reportagem é do jornal O Estado de S.Paulo, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade