Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Europeus duvidam de potencial agrícola brasileiro

postado em 29/04/2008

17 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O presidente da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu, Neil Parish, disse ontem não entender a conta feita pelo Brasil para sustentar que é possível ampliar simultaneamente as áreas para a produção de alimentos e de biocombustíveis.

O programa brasileiro de etanol tem sido apontado por organismos internacionais como um dos responsáveis pela escassez mundial de alimentos, argumento refutado por representantes do governo e da iniciativa privada, que afirmam haver no país áreas disponíveis para o cultivo de grãos e de cana.

No debate, o superintendente técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Ricardo Cotta, destacou que a produção brasileira de grãos, estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 140,77 milhões de toneladas na safra atual, está "aquém da capacidade do país". Segundo ele, os produtores brasileiros poderiam produzir mais se o governo investisse em logística para escoamento da produção.

Ontem, após reunir-se com a delegação do Parlamento Europeu que chegou ao Brasil no domingo, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse que o país tem a pretensão de aproveitar a alta dos preços dos alimentos no exterior para ampliar suas exportações, e apontou os Estados Unidos como "vilão" no contexto atual de alta das cotações.

Hoje os parlamentares participarão de uma reunião com deputados e senadores brasileiros. À tarde, viajarão para o município de Inhumas (GO), para visitar a Usina CentroÁlcool. Na quarta-feira o grupo visitará fazendas de pecuária no município de Campestre de Goiás, Palmeiras de Goiás e Nazário, todos em Goiás.

As informações são de Fabíola Salvador, do jornal O Estado de S.Paulo.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Elvis Luís Basso

Santo Ângelo - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 29/04/2008

Gostaria de salientar a alta dos preços dos insumos agrícolas, principalmente fertilizantes que pelo que se sabe não teriam motivos para estarem nos patamares atuais.

Desta forma, se os europeus querem preços de alimentos mais baixos devem analisar a cadeia como um todo, pois os custos de produção estão muito elevados e trabalhar de graça ou é caridade ou escravidão.

Precisamos de lideranças que defendam a agricultura e pecuária em nosso país, afinal de contas por décadas ficamos a merce dos subsídios europeus e na primeira oportunidade que temos de aumentar nossas exportações ajudando os nossos agricultores, temos que fazer caridade.

Acredito que temos que reduzir custos em toda a cadeia principalmente nas grandes companhias de insumos que estão cada vez mais ricas e dividir a responsabilidade de abastecer o mundo com países desenvolvidos que tem muito mais capacidade de "fazer caridade".

Amauri Valle

Machadinho d'Oeste - Rondônia - Produção de gado de corte
postado em 29/04/2008

Concordo com o Sr. Elvis Luis Basso, se os Europeus querem que seu cidadãos consumam muitas calorias de graça que subisidiem o consumidor, e não os ineficientes produres como o fazem a décadas.

O malfadado subisidio agrícola da comunidade européia e americana foi o grande responsável pela pobreza do campo verificada nas américas e na africa e ninguem estava preocupado com isto, porque agora toda esta preocupação e toda esta incoencia nos discursos.

Primeiro nos querem infringir uma elevada carga de responsabilidade pelas mudanças climáticas globais como se a amazonia e o cerrado do mato-grosso fossem os grande vilões e salvadores do planeta, mas por outro lado fazem vistas grossas ao tratado de Kyoto e em momento algum dizem que vão reduzir a frota de veiculos e diminuir a poluição industrial de seus paises.

Acontece que o mundo globalizado ( afinal não foram eles que nos empurraram goela abaixo os "beneficios" da globalização) todos os parceiros buscam o máximo beneficio. Afinal não foi esta a máxima pregada durante os discursos?

Agora vão ter que pagar para poder ter na mesa comida farta, mas barata nunca mais, porque os joãos e as marias deste brasil perceberam que não era justo ter muito filhos para alimentar a mão-de-obra barata que propiciava este conforto todos aos "humanistas europeus".

Parabéns para o Lula quando defende o alcool brasileiro como um grande aliado do país para tornar-se independente das garras dos grandes produtores de petróleo e ajudar a melhorar as condiçõs do pais e do povo.

O tão propalado pais do futuro ate que enfim esta demonstrando que chegou.

Agora é nossa vez de participar da festa.

Felipe Pereira

Areias - São Paulo - Revenda de produtos agropecuários
postado em 29/04/2008

Brasil seleiro do mundo para o mundo. O Brasil deixou de ser um país que aceitasse tudo para ser um país de destaque no cenário do agronegócio mundial. Pessoas como esse Neil Parish e o representante da ONU tem que por a viola deles no saco e tocar em outro lugar, nós somos um país tropical e temos a disposição um clima favorável para ter "condições" de brigar por preços com todo o mundo, e além disso, não temos subsídios pra concorrer com os europeus, mas temos competentes técnicos e agricultores pra produzir em uma área menor uma safra record como a de 2007/2008.

Estai aí a explicação da conta feita pelos agricultores brasileiro. Será que temos um líder par nos ajudar ? O mundo precisa entender que chegou a vez do Brasil e muita gente fala que os alimentos subiram mas nada fazem para reduzir os seus custos, não é verdade nossos governantes? Produtores tendo que disponibilizar seus tratores e seus funcionários para tapar buracos nas estradas sendo essas estradas federais, está na hora de vocês tomarem alguma atitude em defesa de quem produz nesse país e assumirem a sua parcela de culpa.

Elton Augusto Prestes Garcia

Boituva - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 29/04/2008

Temos condições de alimentar boa parte do mundo e não precisamos guerriar por petróleo. É claro que as nações desenvolvidas gostariam de ter essa "segurança". Só precisamos do apoio do nosso Governo!

Apoiado Sr. Elvis L Basso.

Alexandre Pessoa de Assis

Jataí - Goiás - Consultoria/extensão rural
postado em 29/04/2008

Espero que esses europeus continuem duvidando do potencial agrícola brasileiro!Esses caras só enxergam o nariz deles mesmos, somente sabem criar problemas com seus protecionismos de mercado e subisídios!

Paulo Marcos Ribeiro da Veiga

Passos - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 29/04/2008

Os fertilizantes do ano passado para nós já subiram mais de 100%, sendo que o dólar caiu mais de 18%, os defensivos agrícolas idem.

Os europeus e o governo brasileiro tem que entender que nós produtores rurais não fizemos voto de pobreza, e que quando conseguimos algum lucro com a atividade, a margem é baixissíma, que mal paga as despezas pessoais e de nossas propriedades.

Francisco Benjamim Carvalho Filho

Salvador - Bahia - Consultoria/extensão rural
postado em 30/04/2008

Na verdade, o que o Brasil precisa é apenas fazer bem o seu trabalho na agropecuária, o governo dar as condições de escoamento e logistica à produção e a iniciativa privada produzir com eficiência.

Deixemos de lado as insanidades que europeus vêm dizendo e vamos trabalhar para aproveitar este momento, assumindo definitivamente a nossa maior aptidão, que é ser um país agricola.

O trabalho que vem sendo realizado com responsabilidade social e profissionalismo (sem esquecer o capitalismo) é a nossa maior resposta.

Elizeu Marcondes do Vale

Cuidad del Este - Alto Parana - Paraguai - Indústria de insumos para a produção
postado em 30/04/2008

Concordo prenamente com o Sr. Elvis, não temos que nos preocupar com a falta de entendimento do presidente da comissão de agricultura da união europeia sobre as contas do nosso governo, temos que nos preocuparmos com os nossos produtores, defendermos a classe e ajudar o crescimento do país, pois já temos problemas internos demais para nos preocuparmos.

Aproveitemos o momento que temos demanda alta e preços interessantes para nossos produtos no exterior.

Paulo de Tarso Nammur

Curvelo - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 30/04/2008

Não sei se o Sr Neil Parish conhece o Brasil. Se já visitou as nossas fazendas e se conhece o tamanho do nosso país.

É importante salientar que só o Estado de Minas Gerais é muito maior que muitos países Europeus. Minas é o maior produtor de leite do país, com mais de 7 bilhões de litros/ano, é o terceiro maior produtor de carne bovina, com 1 milhão de toneladas produzidas em 2007 contribuindo com aproximandamente 12% da produção brasileira e o segundo maior produtor de bezerros desmamados do país com uma produçào próxima de 5,5 milhões de cabeças.

Estes dados são de um estado, dos 26 (fora o DF) que compõe este país.

Eu não estou entendendo o Sr. Parish, ou melhor, o Sr. Parish é que não entende nada de Brasil.

Rodrigo Belintani Swain

São Paulo - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 30/04/2008

Gostaria de saber quem tem mais interesse no comercio entre a UE e o Brasil.

Se o Brasil em vender a carne ou a Europa em importar carne!

Os representantes do parlamento europeu finalmente tiveram acesso a opnião dos pecuaristas brasileiros, e assim colocaram tambem suas opiniões e mostraram seus alfinetes; mas não devemos ceder e sim endurecer, acho que ja visitaram muitas propriedades e não mudaram de ideias, portanto quando vem ao Brasil não devem mais visitar nenhuma propriedade, e o Brasil estimular visitas de importadores no qual o Brasil não tem problemas comerciais, e esquecer a união européia um pouco.

O preço da arroba esta alto independente da UE, o mercado interno esta em plena expanção, outros paises importadores estão satisfeitos com o produto brasileiro. Se eles não visualizão nosso sistema de produção ou não gostam da nossa carne ou não precisam da nossa carne, eles que apodreçam no velho mundo.

Cledson Luis Furtado Rezende

Ouroeste - São Paulo - Frigoríficos
postado em 30/04/2008

Concordo plenamente com meu colega Dr. Elvis, minha família é produtora de soja e criadora de gado de leite, na próxima safra ainda não sabemos se vamos plantar, os fertilizantes pularam da casa de R$ 900,00 para R$1.900,00 em apenas uma safra, um aumento de mais de 100%, e se fala apenas na inflação dos alimentos, até agora não vi nenhuma notícia na mídia sobre a inflação dos insumos agrícolas.

Então se a Europa está preocupada assim com a escassez de alimento no mundo, é só nos ajudar, subsidie a agricultura brasileira, de condições para produzirmos, pois isso nós sabemos fazer, agora plantar para ter prejuízo e desfazer do nosso patrimônio, como aconteceu no início da década, muito obrigado desta vez não.

Eduardo Cesar Sanches

Barra do Bugres - Mato Grosso - Consultoria/extensão rural
postado em 02/05/2008

Escassez de alimentos?

Se realmente alguém tem interesse em alimentos que faça sua oferta, é lei da oferta e procura, se alguém quiser pagar certamente temos muitos produtores querendo produzir. E ganhar claro.

Antonio Carlos Gonçalves

Pelotas - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 02/05/2008

Os europeus jamais vão entender o Brasil. somos um continente, com diversos climas e solos, podemos produzir oque nós queremos sem subsidios, enfrentamos o setor financeiro e industria agroquimica, estas são totalmente protegidas pelo governo, produzimos cada vez mais e melhor.

A inveja leva eles a loucura.

João Adalberto Ayub Ferraz

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - cria, recria, engorda
postado em 02/05/2008

O problema do Parlamento Europeu, é que eles tem de parar de subsidiar os agricultores, desses países, e ter a coragem de enfrentar a realidade nua e crua de que os países em desenvolvimento, são tão ou mais capazes de produzir todo tipo de alimento em quantidade e qualidade.

Eles tentam por todos os meios nos intimidar e incriminar por este ou aquele fato exporádico, porém não conseguem solucionar os seus; tais como a aftosa da Inglaterra, a vaca louca, etc.

Eles se julgam superires e donos absolutos da verdade. Falta sim faz, que nossas lideranças, deixe o problema deles para serem resolvidos por lá e as nossas autoridades incentivem a produção com toda a disponibilidade de infra estrutura necessária, tanto política como técnica, tais como, menos impostos, mais estradas, saúde para o homem do campo com mais agilidade, armazens, escolas técnicas competentes, e principalmente menos burocracia e nenhuma corrupção.

Agenor Teixeira de Carvalho

Araxá - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 02/05/2008

Sr. Neil,

Acho melhor vocês procurarem um jeito de produzir mais e acordarem para a realidade aí no "velho"mundo. Se vocês conseguirem produzir para o próprio sustento já está muito bom, se não, podemos dar uma ajudinha mas terão que pagar "caro". Parece que está chegando a nossa hora, pois terra boa, clima ótimo e água em abundância é o que mais temos aqui. Só nos faltava esse mercado que parece estar surgindo como um furacão.

Imagina se tivéssemos o "mínimo incentivo" do governo, onde estaríamos hoje? Sempre concorremos com os injustos subsídios do primeiro mundo. Agora chegou a nossa vez. Gringo aqui só se tiver muita grana,senão...

Octaviano Alves Pereira Neto

São Paulo - São Paulo - Indústria de insumos para a produção
postado em 04/05/2008

Provavelmente este senhor também ignore a China como potencial competidor do setor industrial europeu.....

V P DeOLiveira

Olathe - kansas - Estados Unidos - Produção de gado de corte
postado em 06/05/2008

Sr Rodrigo Belintane Resende, o seu comentario e perfeito e espressa exatamente minha opniao sobre estes arogantes que desconhecem nossa capacidade, estao com medo de nosso potencial, estao comecando a perder juntamente com os americanos o controle totalitario e tambem o monopolizador pensamento que o resto do mundo ainda sao suas colonias.

Ao Sr. Agenor Teixeira de Carvalho, concordo plenamente com todos os pontos levantados em seu comentario menos a ultima frase que voce citou, a grana como voce bem disse. A grana destes gringos esta comprando grande parte de nossas terras o que e um mal terrivel, nosso solo ainda e uma das poucas coisas genuinamente brasileira que resta para nos brasileiros o nosso subsolo e demasiado rico para que estes poderosos gringos com sua grana compre nosso territorio.Gringo em nosso pais deveria ser expressamente proibido deter posse de qualquer tipo de propriedade rural *RURAL*. Estamos em via de perder o controle de grande parte de nosso terrritorio nacional devido a inercia de nosso mediocre governo que simplesmente nao consegue perceber o perigo em que encontra nossa querida patria. A grana destes gringos diretamente ligada a nossa socidade e um grande prejuizo a nossa gente que luta por dias melhores. Grana de gringo somente em bolsas de volores. e nao ligadas ao nosso dia a dia. Nosso governo precisa urgentemente ter controle rigoroso sobre vendas de propidade a gringos porque grana eles tem e muita pois ja dominam praticamente toda nossa industria, se conseguem tambem grande parte de nossas terras como desejam, ai nem nossos produtos agricolas conseguiremos colocar em seus mercados. Os ingleses e irlandes sao ferrenhos em defamar nossa carne. Estes mesmos ingleses estao aqui comprandos nossas terras, podem voces imaginar a razao? Simples, muito simples, nos consideram uma classe abaixo da deles e querem manter seu imperio, nao mais industrial, porque agora a bola da vez e a agroindustria, que plante em sua terras e nos deixe em paz e parem de meter o bico em nosso paspalho governo que apezar de tudo e nosso governo.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade