Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Expansão da internet nas classes D e E e nas zonas rurais ainda é desafio

postado em 21/06/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Brasil tem 80,9 milhões de usuários de internet, apontou pesquisa divulgada ontem (20) pelo Centro de Estudo sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic.br). A oitava edição do levantamento Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) Domicílios mostra que houve um aumento de 15 pontos percentuais na proporção de pessoas que utilizam a rede mundial de computadores no país nos últimos cinco anos, passando de 34%, em 2008, para 49%.

Apesar do avanço, o estudo revela dificuldades para a expansão da internet especialmente em classes sociais mais baixas e nas zonas rurais. Nas classes D e E, 80%, ou 68 milhões de pessoas, nunca usaram a internet. Na média geral, o custo elevado foi apontado como a principal razão para a falta de internet no domicílio, tendo sido citado por 44% dos entrevistados. Esse percentual, entretanto, está em queda desde 2008, quando a taxa era de 54%.

Na zona rural, apenas 10% dos domicílios estão conectados, enquanto na área urbana, o percentual chega a 44% das residências. A média brasileira é 40% dos domicílios com internet, um acréscimo de 4 pontos percentuais na comparação com a última pesquisa (36%). A falta de disponibilidade é o principal motivo apontado pelos entrevistados em domicílios da zona rural. O estudo consultou 17 mil pessoas em todas regiões do país.

“Observamos maior crescimento nos mercados mais atrativos, como Sul e Sudeste, onde há maior concentração de provedores. Essa dinâmica de mercado precisa ser tratada pelas políticas públicas, por um arcabouço regulatório. Estamos chegando em um esgotamento [das ações já implementadas]. Se temos interesse em levar a banda larga para 100% dos domicílios brasileiros, algo de diferente precisa ser feito”, avaliou Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

Barbosa citou como ações que deveriam ser ampliadas, as desonerações de mecanismos de acesso à internet, a exemplo do que foi feito recentemente com o smartphone, e a expansão da rede na zona rural. “É uma ação nova [banda larga na área rural] que busca que as operadores se comprometam em levar para essas zonas. A gente vai demorar para ver o reflexo dessas medidas”, apontou.

Na comparação entre classes sociais, a disparidade do acesso à internet nas residências chega a 91 pontos percentuais. Enquanto na classe A o percentual chega a 97%, nas classes D e E, ele é 6%. Observa-se, por outro lado, forte crescimento, nos últimos cinco anos, nas classes B (de 58% para 78%) e C (de 16% para 36%).

Em relação ao tipo de conexão, a banda larga fixa manteve uma proporção relativamente estável, passando de 69% para 67%. A conexão móvel, por sua vez, alcançou 21% dos domicílios, ante 17% na última apuração. A internet discada, apesar do decréscimo expressivo desde 2008, ainda é utilizada em 7% das residências. Em 2008, esse percentual era de 31%.

É crescente, ainda, a utilização de conexão à internet mais veloz. Houve acréscimo de 20% para 32% dos domicílios que fazem uso de velocidade acima de 2 megabytes por segundo (Mbps). A diminuição das residências que utilizam conexão até 256 kbytes por segundo (Kbps) também é expressiva, passando de 15% para 9%. Em 2008, esse percentual era de 41%. Muitos dos entrevistados (20%), no entanto, não souberam responder à pergunta.

A reportagem é da Agência Brasil, adaptada pela Equipe AgriPoint.  

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

edison antonio pin

Dois Vizinhos - Paraná - Pesquisa/ensino
postado em 24/06/2013

Está é uma informação relevante que expõe o contraste no Brasil e o grande desafio do serviço técnico.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade