Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Fabricantes de ração estão otimistas mesmo com a crise

postado em 22/12/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O mercado brasileiro de nutrição animal assistiu em 2008 a um movimento de concentração que já está em pleno curso no exterior. Grandes aquisições ajudaram a amenizar um pouco uma das maiores características desse segmento, marcado pela pulverização. Agora, com o agravamento da crise econômica, há dúvida sobre a capacidade da indústria de manter o fôlego para novas operações de fusão e aquisição.

Com a farta liquidez até a metade do ano, a busca por aquisições estava em alta. "Havia muito dinheiro, as empresas estavam capitalizadas. Agora não há crédito, mas, por outro lado, o momento é propício para as compras. Os ativos estão mais baratos", avalia Ariovaldo Zanni, diretor executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações).

"É possível que ocorra no nosso setor o mesmo que ocorreu na indústria farmacêutica, com meia dúzia de empresas gigantescas dominando o mercado. As menores atenderão nichos, que sempre vão existir", diz ele. "É uma tendência global".

Antes da crise, segundo Zanni, fundos e potenciais investidores procuravam informações sobre o mercado brasileiro dispostos no setor. "Em setembro, o cenário virou, ficou mais nebuloso. O interesse pelo Brasil permanece, mas agora se fala em desembolso menor", diz.

Uma das aquisições mais emblemáticas realizadas em 2008 foi feita pelo grupo francês Evialis. Em maio, o grupo concluiu a compra das operações remanescentes da Cargill Nutrição Animal, braço da multinacional americana para o segmento. Com as quatro fábricas assumidas pela Evialis, o grupo francês consolidou sua liderança na indústria, enquanto a Cargill deixou de atuar na área no país.

Outra aquisição que marcou o setor foi a da PCS Fosfatos Brasil pela Tortuga. Mais que pelo valor - a operação envolveu entre R$ 90 milhões e R$ 100 milhões -, o negócio marcou a primeira aquisição realizada pela Tortuga, uma das mais tradicionais empresas do segmento de suplementos minerais do país voltados à fabricação de produtos de nutrição animal.

Não apenas a crise econômica lança dúvidas sobre a capacidade do setor de continuar seu movimento de concentração. Há, na verdade, discordância mesmo sobre se as compras podem denotar uma tendência, já que o setor é tremendamente pulverizado no país. Existem no Brasil entre 1,5 mil e 2 mil fabricantes de produtos de nutrição animal.

"O mercado precisa de consolidação para ganhar escala e força, mas é difícil dizer que existe uma consolidação em um setor com quase duas mil empresas", afirma Nilton Ribera Perez, diretor-presidente da Evialis, "a maior escala daria ao setor também capacidade de investimento em pesquisa". Para 2009, afirma, há otimismo, ainda que o cenário esteja pouco propício para previsões.

A matéria é de Patrick Cruz, publicada no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (3 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade