Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Falta de capacidade portuária compromete o crescimento do agronegócio no Brasil

postado em 06/07/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O agronegócio brasileiro não cresce mais por falta de capacidade portuária para escoamento, problema que dificulta a produção agropecuária em algumas regiões do País. O alerta foi feito pelo consultor de Logística e Infraestrutura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Luiz Antonio Fayet, em audiência pública na Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara dos Deputados, realizada, nesta terça-feira (05/07), para debater os problemas do sistema portuário nacional.

Segundo Fayet, na última safra, alguns Estados das Regiões Norte e Nordeste deixaram de produzir três milhões de toneladas de soja e milho por não haver portos marítimos próximos com capacidade para escoar a produção. Em razão disso, acrescentou Fayet, cerca de 50 mil empregos permanentes não foram gerados. "Com este apagão portuário que está aí, nós estamos condenados a não crescer", afirmou o consultor da CNA.

Fayet explicou que 52% da produção de soja e milho do Brasil está concentrada a partir do paralelo 15, linha imaginária que corta o Brasil um pouco acima da Capital Federal, em Estados como Mato Grosso, Amazonas, Tocantins, Maranhão e Piauí. No entanto, apenas 16% dessa produção são escoados pelos portos da Região Norte ou Nordeste. O restante, segundo Fayet, é transportado para os portos localizados no Sul e Sudeste brasileiro e exportado a um custo bem mais alto.

Na visão do consultor da CNA, a estatização dos portos brasileiros é uma das principais causas que emperram o crescimento do agronegócio brasileiro. Fayet defendeu a abertura para investimentos privados como forma de alavancar a infraestrutura portuária no Brasil, uma vez que o Governo, sozinho, não dispõe de recursos suficientes para aplicar no setor. "Esse é o caminho lógico e foi isso que o Governo fez para tentar resolver os problemas dos aeroportos do País", explicou.

Segundo Fayet, são necessários investimentos da ordem de UU$ 30 bilhões até 2020 para superar o gargalo dos portos marítimos no Brasil. "O Governo não tem esse dinheiro, até porque teve de cortar R$ 50 bilhões do orçamento deste ano", disse durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

O consultor da CNA também criticou a legislação que regula o setor portuário no País. De acordo com Fayet, o Decreto 6.620, de 2008, impede que grupos privados invistam em portos no Brasil, ao mesmo tempo em que, permite que os concessionários dos serviços portuários atuem como um cartel, o que eleva o custo de operacionalização dos portos. "A CNA ingressou com uma ação na justiça contra esse decreto por considerá-lo ilegal", contou Fayet. A posição da CNA, explicou, não é contra os portos públicos, "mas a existência do decreto que impede o investimento privado na construção de novos terminais portuários que desafogariam o escoamento da produção agropecuária".

Para o ex-ministro da Agricultura Reinhold Stephanes, que participou da audiência, a produtividade do agronegócio brasileiro é desperdiçada com a falta de logística para o escoamento da produção. "Nos últimos anos, o Brasil foi um dos países onde a eficiência da produção agropecuária mais cresceu, mas essa eficiência se perde na falta de infraestrutura logística", afirmou Stephanes, que hoje é deputado federal pelo PMDB do Paraná.

Também participaram do debate o coordenador-geral de Programas da Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes (Seges) do Ministério dos Transportes, Edison de Oliveira Vianna Júnior; o diretor de Revitalização Portuária da Secretaria Especial de Portos (SEP), Antônio Maurício Neto; o coordenador de Avaliação de Desempenho da SEP, Jorge Ernesto Sanches Ruiz; o secretário executivo da Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegários (ABTRA); e o diretor-executivo da Associação Brasileira de Terminais Retroportuários e das Empresas de Transportes de Contêineres (ABTTC), Martin Aron. O requerimento para a realização da audiência foi apresentado pelo deputado Alberto Mourão (PSDB/SP).

As informações são da Assessoria de Comunicação da CNA, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

renato calixto saliba

Brasília - Distrito Federal - Produção de leite
postado em 11/07/2011

É já estamos cansados de malhar em ferro frio. Todos nós sabemos que o Governo é incompetente para criar as condições ideais para que o custo Brasil caia. Privatização urgente nos portos , nas estradas, nas ferrovias , nas hidrovias, na logistica etc... Estamos cansados de pagar tantos impostos e não vermos os mesmos se transformarem em melhorias para quem produz. Tenha paciência, quando é que o Governo vai tomar vergonha e fazer a coisa correta? Todos os dias vemos a corrupção e os desvios absurdos e ninguém vai preso. Chega precisamos urgente preciosar o Governo para aplicar os recursos onde tem que ser investidos ;

RENATO SALIBA

JULIANA VIEIRA SALLES VARALLO LEITE

Joanópolis - São Paulo - Médica Veterinária/ Produtora Rural- leite
postado em 26/12/2011

O planejamento da produção e a logística são fatores fundamentais para o desenvolvimento do agronegócio, a globalização gera maior competitividade entre empresas, já que a concorrência aumenta sendo necessário aumentar também o nível de eficiência da mesma para sobreviver no mercado, a sobrevivência e o sucesso de uma empresa está na diferenciação competitiva em função da sua capacidade de desenvolver sistemas de logística para seus produtos, mais competitivos do que os de seus concorrentes, mesmo que para isso tenha que se antecipar ao futuro.

Um dos fatores que mais afetam a competitividade é a logística, a qual é a ciência que trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos e os fluxos de informações que colocam os produtos em movimento, a fim de promover níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável, uma abordagem sistêmica da origem até o destino final dos produtos, interna e externamente e está inserida na cadeia de suprimentos supply chain, matéria prima, insumo, produção, transporte, distribuição, fluxo de informação e a eficiência gerencial;

Porém em nível nacional o planejamento da produção agrícola e a logística de seu escoamento possui sentidos invertidos, pois, enquanto a produção agrícola brasileira aumenta a cada safra, a segunda decresce, com déficit na área de armazenamento e na infra-estrutura de transporte e serviços, o que resulta em elevado custo de logística. Tal custo afeta a competitividade e o barateamento da produção brasileira.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade