Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

FAO: pecuária emite 18% dos gases do efeito estufa

postado em 30/11/2006

11 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A FAO (Agência para Agricultura e Alimentação da ONU) divulgou ontem que a pecuária é a quinto maior emissor de gases que provocam o efeito estufa.

Notícia de Bettina Barros, do Valor Econômico, informou que os gases do esterco e da flatulência dos animais, o desmatamento para criar pastagem e a energia usada nas fazendas fazem com que os rebanhos respondam por 18% dos gases do aquecimento.

E o problema do setor não está no dióxido de carbono (CO2), principal causador do efeito estufa, pois os bovinos emitem cerca de 9% do total produzido pelo mundo. No entanto, os rebanhos emitem grandes quantidades de outros gases que também afetam o meio ambiente. A pecuária provocou entre 35% e 40% das emissões de metano (CH4) e 65% das de óxido nitroso (N2O), que tem potencial 296 vezes maior que o CO2.

No estudo "A grande sombra da pecuária", a FAO sugere que o setor resolva o problema, dadas as projeções de que a produção global de carne mais que dobrará até 2050, e de alta similar na produção de leite. "A pecuária é um dos causadores mais significativos dos problemas ambientais mais sérios da atualidade", diz Henning Steinfeld, autor do estudo. "São necessárias ações urgentes para remediar a situação".

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

José Martins Tenório

ITABORAI - RIO DE JANEIRO - Congo - Pesquisa/ensino
postado em 30/11/2006

O meu comentário é taxativo: ou se faz agricultura e pecuária com amor e boa vontade ou paremos de brincar de agropecuária. O que mas o país necessita é de governos que priorizem a agricultura, a saúde, a educação e habitação.

Mas, em primeiro lugar, a agricultura é a principal, as outras são segmentos necessários ao bom desenvolvimento do país.

Sem comida na mesa, ninguém é nada, pode ter o dinheiro que for, pode ser o maior milionário do mundo, sem água e sem comida, somos todos miseráveis.

Geraldo Perri Morais

Araçatuba - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 30/11/2006

A ignorância não tem limite destes orgões que se dizem preocupados com o meio ambiente.

Paulo Sérgio de Abreu Pierin

Paranavaí - Paraná - Produção de gado de corte
postado em 30/11/2006

A grande falha deste artigo está em não divulgar quais são os quatro maiores emissores de gases que provocam o efeito estufa.

Da forma com está apresentado induz o leitor a pensar que a causa maior é apenas a pecuária do Brasil, já que fala em desmatamento, coisa que a imprensa deixa transparecer que só acontece no Brasil. Assim, classifico como fraco este artigo.

Rafael da Rocha Ruggeri

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Produção de leite
postado em 30/11/2006

Eu imagino que a cadeia láctea e de corte não conseguirão fazer muito para retardadar esses índices. Levando em consideração os aspectos que não se consegue uma harmonia entre os setores de produção, industrialização e consumo e principalmente com o governo para se obter preços mínimos e qualidade dos produtos, vai ser complicado realizar um programa para o retardamento disso tudo.

Hans Nagel

Nova Andradina - Mato Grosso do Sul - Produção de gado de corte
postado em 30/11/2006

Dado o fato que a maioria das fazendas tem seus pastos desprovido de árvores e nem reservas de matas suficientes, concordo em parte com este artigo. O grande vilão desta situação é o INCRA que provoca através de uma lei da produtividade uma situação de pavor dos produtores, que tentam cumprir a meta em detrimento da natureza. Meta de produtividade requer a análise de cada propriedade, haja visto que até em pequenas propriedades se encontram diversos tipos de solos. Mas um órgão politiqueiro come este, tenta tapar o sol com a peneira.

Mesmo assim creio que este estudo foi feito mais em terras do primeiro mundo com seu gado estabulado, comendo ração e não somente pasto.

Cordialmente
Hans Nagel

Hermes Jose de Morais

São Gotardo - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 30/11/2006

Dizia Lavoisier, "tudo se transforma", mas como existe nos tempos modernos diversos emissores de gases químicos, qualquer agente emissor de gases biológicos, qualquer que seja a sua proporção, merece atenção e cuidado, por que não criar mecanismos que não sejam proibitivos mas sim que viabilizam a sintonia entre o homem e os animais?

Desde que o mundo é mundo, vive em harmonia o homem e os animais. Hoje gasta-se fortunas em pesquisas nucleares, testes atômicos no oriente e quanto a nós somente fiscaliza-se, proíbe-se, exigem que de tomem medidas urgentes para conter a emissão de poluentes, e como é que ficam os veículos movidos a combustíveis?, o Brasil já fez a sua parte desenvolvendo o motor a álcool.

O sr. Henning deveria fazer novamente seus cálculos, somar quantos carros existem no mundo e quantas cabeças de gado e qual deles seria o mais poluente.

João Ortlando de Figueiredo

Salvador - Bahia - Instituições governamentais
postado em 01/12/2006

Sem ser e especialista na matéria ouso falar abobrinhas sobre o efeito estufa dos bovideos, penso que carbono, hidrogênio e oxigênio presentes nos viventes ciclam e reciclam similarmente à água na natureza. Se liberado pela vida alguém vivo irá captá-lo para que se cumpra o sagrado ciclo biológico. Problema, sim, na liberação atmosférica de elementos fósseis.

Mr Steinfeld deixe nosso gadinho trabalhar! Ou estou errado?

Hermes Jose de Morais

São Gotardo - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 03/12/2006

Voltando no tempo, relembrando o que dizia o pai da química, Lavoisier, "tudo se transforma". É baseado nesta filosofia que o mundo ainda está de pé, acredito que ainda existe outros fatores a serem descobertos pela ciência que poderá nos trazer boas esperanças. Sabemos que a quantidade de gases emitidos é grande. Sabemos que nossos antepassados "O homen das cavernas", possuia um físico diferente do nosso atual isto é: possuíamos grande quantidade de pelos no corpo para proteger-nos do frio. A mutação que sofremos de la para cá, tão como os animais não foi por acaso, assim como o globo terrestre ao longo dos anos sofre mudanças, as mutações sofridas pelo homem são necessárias.

Portanto suportamos as mudanças climáticas e as globais. Acredito que como todo ser vivo possue defesas, plantas e animais, a terra também não está por inteiro desprotegida, é preciso cada um fazer a sua parte, pois a pior de todas as poluições é a poluição nuclear, promovida pelos países que buscam o poder, e é totalmente desnecessária.

Rogerio Faria

Jataí - Goiás - Inspetor da ABQM e ABCPaint / Consultoria Genética
postado em 04/12/2006

Incrível que pareça, acho que se aproveitássemos mais os dejetos dos bovinos, teríamos menos emissões de gases. Existe um livro do Peter Cheeke, a respeito da produção de gases poluentes, mas o que é mais importante se refere ao aproveitamento desses dejetos em compostagem, pois muitos desses gases são utilizados pelas bactérias para produzir compostos orgânicos que poderiam ser empregados nas adubações de lavouras, pastagens, hortas e pomares e deixar da dependência dos adubos químicos, uréia na alimentação do gado, enfim termos uma alimentação à base de produtos animais e vegetais, de maneira saudável.

Um bom exemplo que temos, é a Agricultura Biodinâmica, em que podemos dobrar ou triplicar a produção de alimentos, usando produtos que causam poluição ambiental e diminuindo a incidência de pragas e doenças não somente nos animais, que se alimentam das plantas ou pastagens produzidas dessa maneira.

Basta querer fazer!

Joao Batista de Oliveira

Vitória - Espírito Santo - Produção de leite
postado em 10/12/2006

Lendo alguns dos comentários, senti-me tentado a fazer o meu, em resumo do que li, o gás que o animal libera, já foi o capim, que precisou do CO2 para fazer fotossíntese e gerar a biomassa, e que será novamente captado, na minha visão um ciclo que se fecha.

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 05/08/2009

Sr. João Batista de Oliveira, concordo plenamente com a sua opinião. Pena que poucas pessoas sabem disso, e são levados pela mídia desinformada.
Abraços
Paulo Campelo.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade