Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Fertilizantes: construção de fábrica começará em 2011

postado em 29/04/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Petrobras e o governo de Mato Grosso do Sul discutiram, nesta terça-feira (27), o cronograma para a instalação da fábrica de fertilizantes em Três Lagoas, cujas obras estão previstas para começar em 2011.

A unidade, que produzirá amônia e ureia a partir de setembro de 2014, é um dos quatro novos investimentos da Petrobras na área de fertilizantes para aumentar a produção brasileira e reduzir a dependência do produto importado. As demais unidades serão construídas em Uberaba (MG), Linhares (ES) e Laranjeiras (SE).

A prefeitura de Três Lagoas providenciará o desmembramento da escritura do terreno onde a fábrica será construída e o governo do estado trabalhará para que a licença prévia e a licença de instalação sejam concedidas no prazo acordado, permitindo que as obras sejam iniciadas em 2011.

A unidade de Três Lagoas será abastecida pelo gás natural transportado pelo Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol) e terá capacidade de produção de 1,21 milhão de toneladas/ano de ureia e 81 mil toneladas/ano de amônia.

Segundo dados divulgados pela Petrobras, em 2009 o Brasil produziu 1,118 milhão de toneladas de ureia (626 mil toneladas em unidades da Petrobras) e importou 2,21 milhões de toneladas para atender à demanda interna. Já a oferta de amônia, em 2009, foi de 185 mil toneladas para uma demanda de 505 mil toneladas.

Pelas projeções da Petrobras, em 2015, quando as quatro novas unidades de fertilizantes entrarão em funcionamento, o país passará a produzir 3,659 milhões de toneladas de ureia diante de uma demanda de 4,076 milhões de toneladas. Já a oferta de amônia chegará a 782 mil toneladas/ano - o que tornará o país autossuficiente na produção do insumo.

A reportagem é da Agência Brasil, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Bruno Cezar

Rialma - Goiás - Indústria de insumos para a produção
postado em 01/05/2010

Já estava em tempo da Petrobrás acordar para a situação de dependencia de fetilizantes nitrogenados do exterior, o produtor aguenta pegando no preço da ureia grandes variações. Um dia você chega na loja e o preço é 900,00 reais a tonelada no outro mês o preço está a 1.200,00 reias. O preço do milho para variar 100,00 reais a tonelada tem que subir 6,00 a casa. Alguém já viu isso acontecer com o milho de um mês para o outro.?? Ne ureia eu vejo isso acontecer direto

BRUNO CEZAR

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade