Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Financial Times : economia brasileira é "bicicleta difícil de pedalar"

postado em 08/07/2011

7 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A forte valorização do real e o aumento da disponibilidade de crédito como consequência do grande fluxo de capitais para o Brasil ameaçam interromper o ciclo de crescimento econômico do país, segundo adverte um editorial do jornal britânico Financial Times publicado nesta sexta-feira (08).

Em um texto intitulado "Feridas brasileiras", o jornal compara a economia brasileira a uma bicicleta. "Ela funciona enquanto estiver em movimento", diz o editorial. "Agora, porém, está ficando mais difícil pedalar."

O jornal observa que o real se valorizou 40% em termos reais desde 2006 e que no mesmo período as importações brasileiras quase dobraram, enquanto as exportações cresceram apenas 5%.

"A única razão pela qual o déficit em conta corrente brasileiro não explodiu são os altos preços das commodities. Mas esse boom pode não durar para sempre", alerta.

Crédito

A liquidez em abundância também ajudou a impulsionar o crédito doméstico, mas os consumidores brasileiros agora parecem estar sobrecarregados, gastando mais que um quarto de suas rendas para o pagamento de empréstimos - nível superior ao verificado nos Estados Unidos no período anterior à crise de 2008.

Para o jornal, o crescimento do crédito no Brasil somente pode ocorrer se a renda também continuar a crescer.

"É aí que a bicicleta econômica se depara com a trincheira da guerra cambial", afirma o jornal, observando que o aumento da renda eleva a demanda e a pressão inflacionária, exigindo o aumento dos juros, que atraem mais capital externo, elevando ainda mais a cotação da moeda, aumentando com isso a atração das importações e prejudicando a competitividade das exportações.

"O resultado é um déficit em conta corrente mais amplo, e um limite no crescimento exigido nos salários para manter o crédito doméstico crescendo com segurança", diz o jornal.

Soluções

O editorial afirma que uma das maneiras de contornar o problema seria conter a valorização da moeda, mas observa que o governo brasileiro já tentou medidas como controles parciais de capitais e grandes intervenções no mercado cambial, mas sem sucesso.

Outra possibilidade seria o corte de gastos públicos, dificultados pelo Congresso.

Um terceiro caminho seria a elevação dos impostos sobre o setor de commodities, mas o texto observa que mesmo outras economias ricas em commodities e com melhor administração, como o Chile e a Austrália, estão sofrendo com problemas semelhantes e que os problemas no Brasil são mais agudos por causa do tamanho da economia do país.

O editorial conclui dizendo que "a bicicleta brasileira ainda não está arriscada a parar". "Mas está balançando", finaliza o texto.

As informações são do BBC Brasil, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Evándro d. Sàmtos

Guarulhos - São Paulo - Revenda de produtos
postado em 08/07/2011

Pois é,ai esta mais um aviso,e o que será feito?

Infelizmente creio que nada.Visto que o necessário a ser feito depende de vontade política,e as pessoas,políticos,ou de alguma forma ligadas a política,que se locupletam deste arcaico sistema,não desejam mudanças.

Nossa poupança é pífia,nossos gastos públicos e endividamento da máquina publica são imensas,a corrupção é endêmica,o partido em situação já há quase 9 anos,só pensa em enriquecer seus cartolas...

Nossas taxas de juros,Celic,são as maiores do mundo,pagamos muito caro pelos empréstimos,por este motivo os investimentos privados também são apenas os imediatamente necessários,por conta das altas taxas também somos o paraíso do capital especulativo,as bolhas só fazem crescer.

Os problemas são estruturais:

Reforma tributaria,reforma fiscal,reforma trabalhista,reforma política,reforma do INSS,e outras reformas.Que todos dizen-se a favor,mas que nunca sai de onde esta.

Não existe investimento em educação,cultura,tecnologia e ciências,somos meros produtores e exportadores de COMMODITIES.Ou seja,produtos sem valor agregado,somos apenas o celeiro do mundo,são décadas e gerações perdidas.QUANTAS MAIS?!

Até hoje vivemos o coronelismo,onde os senhores feudais ficam cada vez mais ricos e o povo que se dane.

Não existe,até o momento,luz no final do túnel para o Brasil.

É lamentável que aquilo que poderia ser o inicio do inicio de um Brasil melhor,de um Brasil para os brasileiros,acabe mais uma vez sendo apenas mais um inicio de curta duração,o inicio de um novo e rápido fim...

Sem mudanças na estrutura,qualquer mudança é apenas historia para boi dormir.

Temos que nos orgulhar de ser o país que nivela,sempre,seus concidadãos por baixo?!

Saudações,

EVÁNDRO D. SÀMTOS.


Luiz Gustavo Borba

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Zootecnista
postado em 08/07/2011

O Brasil vai quebrar para construir a Copa!!!!

Não cortem os gastos públicos.. coitado dos corruptos!!

Brasileiros precisamos ACORDAR!!

Vinicius Henrique Menani

Monte Aprazível - São Paulo - Estudante
postado em 09/07/2011

Não é só os politicos que são culpados pelos problemas no pais, eles são responsavei apenas de um terço dos defeitos deste pais, as outras partes os responsaveis e a população, que nunca fez nada a respeito! Até quando os deputados almentaram os salarios deles em mais de 50%, só teve um pequeno grupo de adolecentes que levantaram a voz, o que o resto do povo fez? NADA!



Os politicos vão continuar a fazer o que querem pois o povo brasileiro não tem interesse em mudar, o pais pertence ao povo, se queremos mudança, não devemos esperar  que os politicos resolvam agir, mas o povo é que deve agir, e em um pais onde a população pensa que não é problema dele, enquanto não interferir no churrasco semanal ou no estilo de vida, não pensa em agir e nem pensa em mudar!

Só vai fazer algo quando for tarde demais, quando o pais quebrar, o que não está longe, pois com a copa e a olimpiadas que vão ser realisadas aqui no Brasil, vai fazer a moeda se valorizar ainda mais, fazendo como o jornal britânico Financial Times diz: a bicicleta brasileira ainda não está arriscada a parar". "Mas está balançando".

Wagner Alexandre Gava

Araguaína - Tocantins - Produtor Rural
postado em 09/07/2011

Acordar?! Um país onde uma manifestação contra o corporativismo politico reune apenas 19 pessoas? Foi assim a manifestação em São Paulo. O sr. Sàmtos tem razão para se procupar, pois repete-se, pelas mãos dos parceiros PT/PMDB, o mesmo ocaso de uma tentativa de melhorar as condições financeiras e sociais dos brasileiros que aconteceu em 86 com o plano Funaro, pois um "patriota", sr. Ulisses Guimarães, queria que seu "partido" se perpetuasse na história. Conseguiu as custas de bois presos, hiperinflação, poupança louca e outras desgraças mais. levamos quase 20 anos para voltarmos aos trilhos do desenvolvimento e, novamente, por sede de poder de um partido, vamos "descarrilar". Reforma no Brasil, só se for na casa ( mansão ) destes legisladores nacionais; onde reformas são necessárias, nécas! Nossas leis são escritas no mais puro português dúbio, com a mais ampla intenção de se ter valvulas de escape caso venha a ser preso. O parido de situação diz que o mandatário anterior " vendeu o país e sumiu com o dinheiro", só porque ele diminuiu o quadro de funcionalismo publico, criou agencias reguladoras,que conferiam a qualidade do serviço prestado por empresas "privatizadas", acabou com a palhaçada do banco de varejo dos conglomerados milionários, o BNDES, transformando-o em um FOMENTADOR do crescimento ecônomico do Brasil. Agora, esta instituição financia todos os "conselheiros" do ex-mandatário em seu enriquecimento absurdo. Reclamam de falta de verbas para melhoria de infraestrutura, mas tem dinheiro para criar mas duas unidades federativas, Carajas e Tapajós, com aintenção descarada de criar mais milhares de vagas em empregos publicos, de preferência, por contrato especial, sem concurso, pois assim podem nomear "companheiros" que sempre foram pobres e agora tem a "veis" e que se danem os "ricos". Desculpem se divaguei do assunto, mas são tantas barbaries em nome do desenvolvimento social que é impossivel não divagar. Quanto a matéria, realmente estamos em uma bolha ecônomica imensa. Note-se que se o setor da construção parar, muito dinheiro sai de circulação, pois vemos crise no setor de minérios, sendo que o maior, e praticamente único, consumidor do mundo é a China, tanto de minérios como de alimentos. Nossa estrutura do terceiro setor, Turismo e Prestação de serviços, esta demolida, arrebentada, tanto fisicamente como comportalmente, não temos mão de obra treinada, e esta ainda é preconceituosa. Preparem-se para o "Dragão da Inflação", aquele do JOSÉ SARNEY, pois, ao que parece, ele está acordando.Voces não viram a fumaça de sua respiração fechando os aeroportos da América do Sul?

José Claudemiro Passos Brandão

Ilhéus - Bahia - Consultoria/extensão rural
postado em 09/07/2011

A bicicleta é difícil de ser pedalada porque são poucos os brasileiros que se propõe a pedalar, com determinação, compromisso e visão de futuro.


O editorial do Financial Times, com todo respeito, não tem competência para receitar a solução para esse problema, até porque, o problema não é técnico, é de consciência política, social, econômica, patriótica... .


O exemplo de consciência é dado pelo povo Japonês que na eminência do caos energético temporário, renuncia o uso do ar refrigerado, das escadas rolantes e de outros equipamentos visando equilibrar o balanço energético do país, evitando o caos e suas conseqüências.


Para tornar nossa bicicleta fácil de pedalar basta que a sociedade brasileira vote em lideranças honestas, comprometidas com um projeto de desenvolvimento para a sociedade. Que compre e invista em empresas nacionais lideradas por empreendedores honestos, com visão de futuro e comprometidos com a geração de riquezas relevantes, especialmente, para a nossa sociedade.


Afinal estamos montados na bicicleta mais confortável do mundo. Portanto, só depende de nós para que seja também a mais sustentável.





José Claudemiro.








Carlos Eduardo Costa Maria

Anhembi - São Paulo - Instituições governamentais
postado em 12/07/2011

Gostei do comentário do Sr. José Claudemiro é só nos ajustarmos melhor nas pedaladas,pois que povo não gostaria de pedalar uma economia tão pujante assim.

Fernando de Souza Barros jr.

São Paulo - São Paulo - Trader
postado em 13/07/2011



        Prezados Amigos.



        O remédio quem conhece e não toma ou é populista ou é corrupto menos idealista e realista e como em praticamente todos os Países temos que sustentar a elite global seja através das Multinacionais ou dos Bancos somos refens deste Sistema em que a falta de regulação e de transparencia vai corroendo uns mais outros menos de acordo com o andar da carruagem.A politicagem, a briga pelo poder,a falta de solidariedade e atitude na hora correta leva a isto aí incertezas e decepções,mas como o Brasil é muito rico e atualmente o queridinho dos investidores estão tentando se remunerar aqui de seu capital

fictício gerado pela emissão indiscriminada de dolares e euros. Será que vamos nos alimentar de papéis vamos ver o final da linha,tomara que seja feliz.



      Abraço e até mais.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade