Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Fiscais agropecuários garantem serviço essencial durante greve

postado em 07/08/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os fiscais federais agropecuários, que entraram em greve ontem reivindicando reestruturação da carreira e reforço do efetivo por meio de concurso público, disseram que manterão um efetivo mínimo para garantir os serviços essenciais à população. Wilson Roberto de Sá, presidente do Sindicato dos Fiscais Federais Agropecuários (ANFFA Sindical), afirma que a categoria ''não será irresponsável''.

O dirigente sindical disse que o governo ''tem a responsabilidade de garantir um efetivo suficiente para acompanhar o crescimento do agronegócio. Não podemos esquecer que o setor corresponde a um terço do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil''. A entidade representa aproximadamente 3,2 mil profissionais, entre agrônomos, veterinários, químicos, farmacêuticos e zootecnistas, que atuam no Ministério da Agricultura. Os fiscais agropecuários atuam em portos, aeroportos, fronteiras, aduanas, frigoríficos, indústrias de alimentos e bebidas, análise laboratorial, na certificação e na promoção de políticas públicas.

Segundo Sá, a defesa agropecuária nacional passou mais de 21 anos sem realizar concurso público e os realizados em 2001, 2004 e 2006 solucionaram parte do problema com a entrada de 1,4 mil fiscais. Ele explica que mesmo com a contratação nos últimos concursos o efetivo não é suficiente para atender a demanda por causa do crescimento do setor agropecuário. ''Nos últimos 10 anos, o País teve um acréscimo de 340% no valor das exportações e seria necessário um aumento mínimo, imediato, de 46% no efetivo atual para acompanhar o mesmo ritmo do setor.''

Ele reclama que os fiscais trabalham no limite e que a categoria precisa, imediatamente, de mais 1,5 mil profissionais para atender a procura. Sá alerta para a falta de perspectiva na estruturação da carreira, que avalia ser preocupante, e cita um estudo realizado pelo Ministério da Agricultura que prevê aumento de 10,9 milhões de toneladas na produção de carnes bovina, de suínos e de frango nos próximos dez anos. ''No caso dos grãos, o crescimento será de 21,1% passando dos atuais 153,26 milhões de toneladas para 185,60 milhões. Porém, não há sinalização do governo para que o quadro dos fiscais agropecuários seja ampliado'', diz ele.

A matéria é de Venilson Ferreira, da Agência Estado, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade