Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Fotossensibilidade: seu rebanho já foi acometido por esse mal?

postado em 06/09/2012

13 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No fórum técnico do FarmPoint recentemente ocorreu uma discussão sobre o problema da fotossensibilização em ovinos.

O leitor e produtor de ovinos da raça White Dorper, Davi Pottes, perguntou qual seria o manejo adequado para evitar a fotossensibilidade nos seus animais e se ela ocorrer, quais são os medicamentos necessários e a forma de utilização.

Camila Raineri, zootecnista, doutoranda pela FMVZ/USP e criadora de animais cruzados com as raças White Dorper e Dorper respondeu a dúvida do leitor e comentou que a Brachiaria realmente é um problema, não só para o White Dorper como para qualquer ovino.

"A espécie é mais sensível que os bovinos à fotossensibilização. Se não for possível trocar a forragem, coloque sombra em seus piquetes (plante árvores ou faça abrigos com tela de sombra). Na verdade isso também é uma medida importante para qualquer raça e categoria. O manejo do pasto também é importante, pois o pastejo da macega é mais problemático que o das folhas da Brachiaria.

Outra coisa: observe os seus reprodutores. Verifique a pigmentação deles principalmente nas mucosas dos olhos e ao redor do ânus. Animais mais pigmentados (amarronzados ao invés de rosados) costumam ter menos problemas com o sol (especialmente carcinomas e queimaduras) que os despigmentados. Cheque também a linhagem deles, e veja se são de uma "família" em comum... se forem, fuja dela", finalizou ela.

E você produtor? Já teve problemas com fotossensibilização? Compartilhe sua experiência com os outros leitores!

O FarmPoint agradece desde já a sua participação!

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

MARCOS LIMA BARBOSA

São Paulo - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 07/09/2012

Caros companheiros ovelheiros.Acho que humildemente posso contribuir .Sou criador há 14 anos de ovinos DORPER em PINDAMONHANGABA(SP) e quando me decidí a criar ,muito ouví sobre fotossensibilização. Não me  contentava com as alegações e pesquisas  dos DOUTORES PALESTRANTES ,todos eles com pouquíssimos animais  testemunhas em inúmeros   encontros e simposios,resolví  ir a fundo na questão já que minha fazenda é composta de 100% de brachiaria. Duas experiencias me fundamentaram ;Fui visitar  Um criador novato de mil animais a campo, que perdía muitos animais com a fotosenssibilização mas de uma maneira intermitente.Professores e especialistas eram convocados.Biópsia eram feitas e nada ....O camarada do proprietario dizia na ocasião dos surtos ";DOUTOR  a brachiaria tá sementeando.." e o DOUTOR não dava bola e os professores continuavam suas pesquisas e nada...Animais voltavam a morrer e nos surtos o camarada voltava com a teoria da brachiaria sementeando.Um belo dia,cheio dos insucessos , mandou; - ZÉ  brachiaria aqui na fazenda não sementeia mais.Começou a querer passar ,roçadeira nela.Resultado.Nunca mais houve casos de fotosenssibilização.
Outro momento foi  que encontrei uma TESE DE DOUTORADO no MEXICO com 8 mil animais em cima da brachiaria;RESULTADO menos de 0,1 % de mortes e estes que vieram o óbito eram somente cordeiros de raças sem pigmentação .
Aqui vai meu depoimento;Crio há 14 anos em torno de 600 animais 100% na brachiaria  e indice de mortalidade = ZERO.Cordeiros não vão  a pasto NUNCA - somente confinados e comem brachiarão picado por  ENSILADEIRA TIPO TARUP  e mais concentrado  .No  cocho ficam as ovelhas paridas até 60 dias 100% confinadas com os cordeiros  que tambem  comem isto. Animais em crescimento ficam confinados com BRACHIARIA PICADA + CONCENTRADO .Meus indices de ganho de peso diario são muito bons + - 300 gr/dia/animal . A grande vantagem da brachiaria é a oferta farta e mais do que isto.Como sou vendedor de genética,meus animais,desde cordeiros aprendem a comer brachiaria e vão assim carregando esta benécia,pois o BRASIL não é feito de TIFTONe nem COAST CROSS ,não é verdae?
Portanto criar ovinos na brachiaria,para mim,  não tem mistério; RAÇAS PIGMENTADAS, CORDEIROS NUNCA VÃO A PASTO E BRACHIARIA VAI PASSAR OU COLOCA GADO OU PASSA A ROÇADEIRA ( nem isto eu façõ !!!) e rebanho não passa mais que 5 dias em cada piquete e volta depois de 40 dias nele.
Espero ter contribuido.
FORTE ABRAÇO
MARCOS BARBOSA
CABANHA MB DORPER
www.mbdorper.com.br
(12) 91735811

Rogerio Faria

Jataí - Goiás - Inspetor da ABQM e ABCPaint / Consultoria Genética
postado em 07/09/2012

Na realidade isso esta mais relacionado com o manejo dos animais na  pastagem. Uso de medicamentos ajuda mas não resolve, pois a contaminação é com fungo Phytomyces chartarum, e isto foi definido há 36 anos atrás. Não existe isso de os animais engolirem o fungo.

Celso Fernando Veiga

Barreiras - Bahia - Consultoria/extensão rural
postado em 07/09/2012

Determinadas brachiarias não são alimento apropriado para ovinos, contudo há um exagero quanto a fotossensibilização causada por estas forrageiras. Não se deve esquecer que uma grande variedade de leguminosas nativas do cerrado ricas em tanino causam tal problema. O lantana Camará também está sempre presente nos locais onde as brachiarias acabam pagando a conta.

Neventon Carvalho

Santa Maria - Rio Grande do Sul - Pesquisa/ensino
postado em 07/09/2012

É um problema que ainda não nos afeta,pois  a brachiária não é muito difundida devido ao clima, e em segundo lugar os animais da raça Dorper estão começando a ser  criados aos poucos no RS.

Renato Mascarenahas Xavier

Brasília - Distrito Federal - Produtor de reprodutores comerciais
postado em 07/09/2012

Além das recomendações, da Dra. Camila Raineri, eu já ouvi que o fornecimento de sal mineral com formulações mais ricas em Zinco também ajudam a prevenir a fotosenssibilidade. Issso tem algum fundamento científico? Se tiver, de que forma atua? Grato.

Reinaldo Micai

Itu - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 08/09/2012

Caro Amigos, criadores;
Tive problema de fotossensibilização ao utilizar pasto de brachiária que estava bem alta, em descanso por longo período. Apareceram lesões nas orelhas, inflamação e descamação, assim como na região do focinho; em animais de pelo curto e com manchas brancas despigmentadas na região do dorso o mesmo processo apareceu, edema nas palpebras se instalando conjuntivite; sendo mais severo os sintomas nos animais jovens. Os animais ficam apáticos, não caminham com o lote para pastejo.
Instituimos como tratamento:
-Retirada imediata de todos os animais  desta pastagem.
-Mantivemos os doentes  em galpão coberto, e alimentação artificial.
-Medicamos com protetor hepático injetável, pomadas cicatrizantes nas lesões de pele, e antibiótico nos animais com lesões mais severas,
-Permaneceram com esse tratamento até a cicatrização da pele, a qual ficou com sequelas, tais como enrugamento das extremidades das orelhas(conhecido como ergostismo) e cicatrizes nas demais regiões do corpo onde houve lesões.
-Tive morte de alguns animais.
Sobre a pastagem alta de brachiária; recomendo que faça a roçada bem baixa antes de soltar os animais.
Abraço
Reinaldo Micai.

Luciano Piovesan Leme

Barbacena - Minas Gerais - OUTRA
postado em 09/09/2012

Parabéns pelo tema, pois para alguns criadores parece ser um "mito" e para outros de fato é um problema, sugiro podermos aprofundar este debate para uma discussão técnica aprofundada com um artigo de algum especialista no assunto. Com a palavra o Farmpoint.
Abraços,

Luciano Piovesan Leme
Zootecnista / Ovinocultor
Presidente do NUCCORTE

Cassio Bueno Rodrigues

são paulo - São Paulo - Consultoria/extensão agropecuaria e agronegócios
postado em 10/09/2012

Sim, e foi com caprinos a campo,a proncipio parecia que todo o rebanho estava sensibilizado, mas aos poucos fomos apartando e identifcando o que era fotossenbilização e alergia a brachiaria.Na alergia o que vimos foi o fato da brachiaria estar em fase de decomposição e a parte da folha seca liberar o "pó",e ai começou a vermelhidão,ressecamento da pele,e o fato da pele se levantar e paracer casca de arvore,levava de imediato ao diagnostico de requeima,mas não era.Usamos nos animais mais afetados o banho e um atiestaminico,e quando o numero de animais foi maior,mercepeton e usamos uma produto homeopático para este fm. O sal mineral foi fundamental como veiculo,e o uso de outros mediacmentos em pó.No caso da fotossebilização, antiflamatório e em dois animais em especifico,fiz um cocho com napier e ''boldo'',era uma alternativa viavel.Mais o banho antifungico e a aplicação de complexo vitaminico e sombra.Vejo que é possivel evitar percas maiores,com o uso da pastagem de forma mais baixa sem brotação,e o uso de alternativas mais simples mas  viaveis para o rebanho.Não esqueçamos que cada rebanho e região tem sua resposta a  menejo, especifico,portanto não generalizem que determinados medicamentos e seu uso,tem ou não seus efeitos ou estão obsoletos.

Leonardo de Rago Nery Alves

Belo Horizonte - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 20/09/2012

Prezados; boa noite.

Para entendermos o tratamento dos animais acometidos com fotossensibilização, é necessário conhecer as falhas do sistemas que permitem as observações acerca da mesma. A fotossensibilização é uma patologia caracterizada por lesões do tipo gangrena seca (aspecto de pergaminho) e inchaço (edema) facial. É causada por uma toxina produzida por esporos de fungos. Dentre eles, o mais comum é o Pithomyces chartarum. Outra possibilidade de seria através de saponinas da Brachiaria.

A toxina, quando ganha a circulação, passa pelo FÍGADO, onde causa uma lesão (geralmente reversível). Além disso essas toxinas são fotoativas, sendo esta a explicação para as lesões cutâneas observadas.

É válido lembrar que animais de todas as categorias podem ser acometidos, apresentando sintomas; sendo mais evidentes naqueles animais não adaptados às condições da fazenda, ou ao pasto.

De uma forma geral, a fotossensibilização é observada decorrente de graves erros de manejo nas pastagens, sendo que estas atingem um ponto de crescimento acima do ideal (por questão simples de subpastejo, por exemplo). Com o avançar do ciclo fisiológico da planta, esta passa a apresentar macegas (folhas secas ao redor da base); e com a chegada das primeiras chuvas, esta planta se torna o microclima ideal para o crescimento dos fungos. Consequentemente à chegada da chuva, ocorre um brotamento dessa planta, sendo este extremamente atrativo aos animais; que o ingerem juntamente com esporos e toxinas fúngicas.

Partindo desse pressuposto, manter a pastagem em uma altura adequada é essencial para que não ocorra surtos de fotossensibilização no rebanho. Dessa forma, em situações onde o subpastejo ocorre, recomenda-se o uso de roçadeira acoplada ao trator para diminuir a altura da planta e deixar que a luz do sol atinja a região antes sombreada (que favorecia o crescimento dos fungos).

Nos casos onde já existem casos da doença, preconiza-se a imediata remoção dos animais dos piquetes problemáticos. Estes ovinos deverão ser alojados em condições de sombreamento (para evitar ativação das toxinas fotoativas), e receberão alimentação diferenciada ofertando outro tipo de volumoso. Geralmente observa-se o uso de capineira, silagem, etc.

Além disso, o uso de protetores hepáticos a base de Metionina, tem sido descritos com sucesso na regressão do quadro clínico. Hidratar os animais é também essencial. A suplementação alimentar com sulfato de zinco também tem sido descrita com sucesso.

Aos produtores, recomendo que em casos similares ao aqui descrito, procure orientação de profissionais especializados, para que o sucesso do sistema de produção e da criação sejam plenos.

Cordialmente;

Leonardo de Rago Nery Alves


paulo galeano

Natividade da Serra - São Paulo - biologo de formação - func publico mun
postado em 11/11/2013

Parabéns, pelo tema e a descrição do ocorrido com os criadores, tal experiencia é de suma importância aos demais inclusive a mim. obrigado

Antonio Nivaldo Parente

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 27/11/2013

Vcs sabem dizer se o convert 364 é indicado para criar ovinos? Fui informado que ele, apesar de ser um brachiária, não causa a fotossensibilidade.

Nivaldo Parente

Priscyla

Monte Alegre de Minas - Minas Gerais - Estudante
postado em 31/03/2014

como faço para curar a alergia de braquiária de cavalo o meu tem isso

CELSO CAVALHEIRO

Terenos - Mato Grosso do Sul - Instituições governamentais
postado em 09/03/2015

O desenvolvimento da ovinocultura no estado de Mato Grosso do Sul, região do Brasil com alto percentual de brachiaria nas pastagens tambem sofre perdas no rebanho por conta de toxinas na alimentação dos animais. As altas temperaturas, associadas ao tempo prolongado de exposição dos animais ao sol tem sido apontadas como fatores que contribuem para o  fenômeno da fotosensibilização. Os comentários acima certamente vão contribuir para ampliar as discussões sobre o assunto. Parabens a todos.
Prof.Celso Cavalheiro  - Mestre em Produção Agroindustrial

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade